Brazil: Boletim Informativo Legal – Maio 2015 – Edição 170

Last Updated: 16 November 2015
Article by Bichara Barata & Costa Advogados

1 – Ambiental

STF: LEWANDOWSKI PERMITE RETOMADA DO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE USINA

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Ricardo Lewandowski, suspendeu os efeitos da liminar concedida nos autos da Ação Civil Pública (ACP) nº 10798-65.2013.4.01.3600/MT e determinou a imediata suspensão do processo de licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica de Paiaguá/MT, sob pena de multa diária no valor de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais). A referida decisão foi mantida pelo TRF-1.

A ACP foi ajuizada pelo Ministério Público Federal, objetivando a declaração de nulidade da sentença prévia expedida pelo Estado do Mato Grosso no processo de licenciamento da UHE Paiaguá, sob a alegação de que não foi realizada consulta aos povos indígenas potencialmente afetados; não houve estudo de componente indígena a integrar o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o órgão licenciador estadual não era competente para emissão da licença ambiental do empreendimento.

O Ibama alegou que não detinha competência para conduzir o licenciamento do empreendimento, uma vez que não estava localizado em terras indígenas. Informou, ainda, que não se instalou a competência do órgão federal, pois não foram identificados eventuais vícios no licenciamento conduzido pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Mato Grosso. A Funai, por sua vez, alegou que a licença prévia expedida não levou em consideração as solicitações da Fundação relativas à necessidade de realização de estudos de impacto de componente indígena.

De acordo com o Ministro, caso a medida liminar fosse mantida, seria necessário buscar outras fontes energéticas com vistas a suprir aquela a ser produzida pela UHE de Paiaguá. Contudo, a substituição não se faria sem danos ao ambiente, pois até mesmo as chamadas fontes alternativas renováveis causam malefícios à natureza. Além disso, o perigo na demora seria inverso, uma vez que a suspensão do processo de licenciamento possivelmente acarretará prejuízos econômicos e sociais ao Estado e aos particulares envolvidos.

O Ministro Lewandowski reforçou, ainda, que a defesa e a preservação do meio ambiente são altos valores da atualidade, por isso a exploração de qualquer atividade econômica deve ocorrer de forma equilibrada, a fim de conservar o ambiente. Contudo, observou que o aproveitamento do potencial hidrelétrico do país não pode ser desprezado em uma sociedade em desenvolvimento, cuja demanda por energia cresce de forma exponencial.

Assim, a decisão do Ministro acolheu parcialmente o pedido formulado pelo Estado de Mato Grosso para permitir que o processo seja retomado. O início das obras, no entanto, ficou condicionado ao julgamento final da Ação Civil Pública a qual se discute o tema.

TRF-4: PUBLICAR PORTARIA QUE CONTRARIA DECISÃO JUDICIAL É IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Em sentença proferida pela 4ª Vara Federal de Criciúma (SC), nos autos de uma ACP, a Justiça havia determinado que a União e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fiscalizassem e combatessem de forma efetiva a pesca predatória no litoral sul catarinense. Alguns dias depois da decisão judicial, o ex-secretário do Ministério da Pesca em Santa Catarina, Américo Ribeiro Tunes, até então ocupante do cargo, editou e publicou uma portaria que deixou mais flexível as regras para a pesca. Com isso, permitiu a utilização de rede fixada por âncora, recurso até então proibido.

Diante disso, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa, sustentando que o único objetivo da publicação da portaria foi esvaziar o conteúdo da medida proferida pelo juízo. O réu, por sua vez, sustentou que só teve conhecimento da decisão do juízo um mês após a publicação. Ele defendeu a legalidade do conteúdo da portaria, argumentando que tem competência para editar a norma questionada.

Para o Desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, relator da apelação interposta pelo réu, ainda que se desconsidere a incompetência do agente público, não há prova de que tal regulamentação tenha sido precedida de estudos técnicos capazes de amparar o seu conteúdo. O relator alegou, também, haver dúvidas sobre o desconhecimento da decisão contrariada. No mesmo sentido, o MPF informou não ser possível crer que o órgão, que se diz competente para emitir a portaria, não tenha tido conhecimento, pelos meios adequados ou mesmo pela imprensa ou terceiros, de decisão liminar com forte impacto sobre a pesca.

Diante disso, o TRF-4 proferiu decisão em 13.05.2015, mantendo a sentença prolatada em primeira instância, condenando o ex-secretário ao pagamento de multa equivalente a cinco vezes o salário recebido em junho de 2012.

LEI FEDERAL 13.123/2015: PUBLICADO NOVO MARCO LEGAL DA BIODIVERSIDADE

Por mais de 10 anos a regulação da biodiversidade brasileira era pautada por normas infra legais, pela Medida Provisória – MP 2.186-16/2001, decretos regulamentadores e Orientações Técnicas do CGEN (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético).

A Lei Federal nº 13.123, publicada em 20.05.2015, veio consolidar e atualizar a legislação relativa ao acesso ao patrimônio genético do País, ao conhecimento tradicional associado a esse patrimônio para fins de pesquisa ou desenvolvimento tecnológico, e à repartição justa e equitativa dos benefícios derivados de sua exploração econômica.

De acordo com a nova Lei, é vedado o acesso ao patrimônio genético ou ao conhecimento tradicional associado por pessoa natural estrangeira, sendo que a remessa para o exterior de amostra e patrimônio genético depende de prévio cadastramento e da assinatura do termo de transferência de material, na forma prevista pelo CGen (Conselho de Gestão do Patrimônio Genético), órgão de caráter deliberativo, normativo, consultivo e recursal, responsável por coordenar a elaboração e a implementação de políticas de gestão.

Os benefícios resultantes da exploração econômica de produto acabado ou de material reprodutivo oriundo de acesso ao patrimônio genético de espécies encontradas em seu habitat natural (in situ) ou ao conhecimento tradicional associado, ainda que produzido fora do País, serão repartidos, de forma justa e equitativa, estando isentos da repartição as microempresas, empresas de pequeno porte, microempreendedores individuais e agricultores tradicionais e suas cooperativas com receita bruta igual ou inferior ao limite máximo estabelecido pela LC nº 123/2006. Fica instituído, para tanto, o Fundo Nacional para a Repartição de Benefícios (FNRB), com o objetivo de valorizar o patrimônio e os conhecimentos tradicionais, promovendo o seu uso de forma sustentável.

Quanto às infrações administrativas, considera-se toda ação ou omissão que viole os dispositivos previstos na Lei, podendo ser punidas com sanções que variam desde advertência até o cancelamento de atestado ou autorização. As multas poderão variar de mil a dez mil reais quando se tratar de pessoa natural ou de dez mil a dez milhões de reais quando se tratar de pessoa jurídica, ou em seu concurso.

O pedido de autorização ou regularização de acesso e de remessa de patrimônio genético ou de conhecimento tradicional associado, ainda em tramitação na data de entrada em vigor da Lei, deverá ser reformulado pelo usuário como pedido de cadastro ou de autorização de acesso ou remessa, conforme o caso. Também foi concedido prazo de um ano para a regularização dos usuários que, entre 30 de junho de 2000 e a data de entrada em vigor da Lei, realizaram atividades relacionadas à exploração da biodiversidade em desacordo com a revogada MP n. 2.186-16/2001, exigindo-se para tanto assinatura de Termo de Compromisso.

A assinatura do Termo de Compromisso suspenderá a aplicação e a exigibilidade das sanções administrativas previstas na MP, desde que a infração tenha sido cometida até o dia anterior à data da entrada em vigor da Lei. Cumpridas integralmente as obrigações assumidas no Termo de Compromisso, as sanções terão sua exigibilidade extinta e os valores das multas aplicadas com base no Decreto n. 5.459/2005, atualizadas monetariamente, serão reduzidos em 90% (noventa por cento).

Ressalte-se que a Lei não se aplica ao patrimônio genético humano, sendo vedado o acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado para práticas nocivas ao meio ambiente, à reprodução cultural, à saúde humana e para o desenvolvimento de armas biológicas e químicas.

PORTARIA MMA 100/2015: PRORROGADO PRAZO PARA INSCRIÇÃO NO CAR

Em 05.05.2015, foi publicada a Portaria do Ministério do Meio Ambiente (MMA) n. 100/2015, prorrogando o prazo de inscrição no Cadastro Ambiental Rural por mais um ano, até 05.05.2016.

O CAR, criado pelo novo Código Florestal (Lei Federal nº 12.651/2012) e regulamentado pelo Decreto Federal nº 8.235/2014 e pela Instrução Normativa do MMA nº 02/2014, é um registro público eletrônico, de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais.

Ressalte-se que pelo novo Código Florestal é permitida a prorrogação do CAR apenas uma vez, sendo que a sua não inscrição poderá implicar em responsabilização dos produtores, além de representar um óbice para os benefícios previstos pelo Código Florestal, como é o caso da adesão ao Programa de Regularização Ambiental (PRA).

IBAMA TEM NOVA PRESIDÊNCIA

Em 06.05.2015, a presidente Dilma Rousseff e a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, nomearam Marilene de Oliveira Ramos Murias dos Santos para a presidência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O ex-presidente, Volney Zanardi Júnior, estava no cargo do órgão desde maio de 2012.

Marilene Ramos é ex-diretora do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão do governo do Estado do Rio de Janeiro. Ela é professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV) no Rio de Janeiro, tem formação em Engenharia Ambiental pelo

Instituto Coppe da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Engenheira Civil também pela UFRJ. Foi coordenadora do Núcleo de Águas do Centro Internacional de Desenvolvimento Sustentável e é especialista em Gestão de Recursos Hídricos e Meio Ambiente.

2 – Previdenciário

NOVO ACÓRDÃO DO CARF A RESPEITO DA NATUREZA DOS "STOCK OPTION PLANS"

Nos dias 12 e 14 de maio de 2015, foram publicados três Acórdãos do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais – CARF, perfilhando nova concepção a respeito da natureza dos chamados Stock Options Plans para fins de tributação previdenciária.

O novo entendimento que vem ganhando corpo, mais favorável aos contribuintes, afasta a incidência das contribuições previdenciárias sobre os Stock Options Plans. Os Acórdãos sustentam que quando as opções de compra das ações das empresas são oferecidas aos seus empregados ou diretores, marcados pela onerosidade, com valor representativo ao de mercado, e houver liberdade de adesão ao risco inerente às operações financeiras, caracteriza-se o caráter mercantil da operação, razão pela qual afasta-se a incidência das contribuições previdenciárias, por tanger a esfera civil/empresarial.

Apesar de o tema ser relativamente novo no CARF, apenas nos últimos dois meses foram publicados quatro acórdãos favoráveis aos contribuintes no âmbito administrativo, o que já indica o posicionamento que está se consolidando neste Tribunal.

SENADO CONCLUI A VOTAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA N. 664 DE 2014

No dia 27 de maio de 2015, o Senado Federal concluiu a votação da Medida Provisória nº 664 de 2014, com texto modificado pela Câmara dos Deputados, alterando regras para o recebimento do auxílio doença e da pensão por morte, modificações estas que fazem parte do pacote de ajustes fiscais pretendido pelo Governo. Agora, o texto segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.

Na seara patronal, destaca-se a discussão acerca do auxílio doença. Ao contrário do que pretendia o Governo, foi derrubada a redação original da referida MP, que modificava a regra para que a Previdência Social somente suportasse o benefício previdenciário a partir do trigésimo primeiro dia do afastamento, mantendo-se, então, a redação do §2º do artigo 43 da lei n. 8.213 de 1991, que prevê que o segurado afastado da atividade laboral tenha o salário pago pela empregadora até o décimo quinto dia de afastamento.

Destarte, o principal ponto de impacto da MP 664/2014 à contribuição previdenciária patronal foi derrubado pela Câmara e ratificado pelo Senado, mantendo-se o tempo de afastamento para a concessão do auxílio-doença em 15 (quinze) dias.

PUBLICADA INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE DETERMINA QUE RELATÓRIOS FISCAIS SEJAM DISPONIBILIZADOS SOMENTE POR MEIO ELETRÔNICO/DIGITAL

No dia 11 de maio de 2015, foi publicada a Instrução Normativa n. 1.564 de 2015, modificando o artigo 486 da IN n. 971 de 2009 e determinando que todos os documentos e relatórios emitidos em procedimento de fiscalização sejam disponibilizados pelo auditor fiscal somente por meio eletrônico, seja através de mídia não regravável ou qualquer outro meio digital ou eletrônico de armazenamento que preserve a integridade das informações.

Ainda segundo a nova Instrução Normativa, caso o contribuinte não disponha de meios para visualização ou assinatura de arquivos digitais, terá que consultar e solicitar os documentos junto ao CAC de sua jurisdição.

To read this article in full, please click here.

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Registration (you must scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions