Brazil: Boletim Informativo Jurisprudência Sobre Arbitragem - Edição Nº 4​

O Mattos Filho monitora constantemente o posicionamento jurisprudencial dos principais tribunais brasileiros sobre os mais variados temas relacionados à arbitragem. Destacamos, abaixo, as decisões mais relevantes entre os meses de julho e setembro de 2015:

Ação de execução de sentença arbitral. Multa de 10%. Artigo 475-J do CPC. Trata-se de recurso especial interposto no âmbito de cumprimento de sentença arbitral, tendo em vista decisão proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro em sede de agravo de instrumento, a qual deu provimento ao recurso para cassar a decisão de primeira instância que aplicou a multa prevista no artigo 475-J do Código de Processo Civil. O STJ, então, entendeu que a execução da sentença arbitral condenatória de obrigação de pagar quantia certa, observa o mesmo procedimento previsto para as sentenças civis de idêntico conteúdo, qual seja, o regime previsto nos artigos 475-J a 475-R do CPC. Diante disso, como decorrido o prazo de 15 dias para pagamento espontâneo da prestação pecuniária certificada na sentença arbitral, seria cabível a aplicação da multa de 10% prevista no artigo 475-J do CPC. Segundo o relator, o afastamento da incidência da referida sanção no âmbito do cumprimento de sentença arbitral de prestação pecuniária representaria um desprestígio ao procedimento da arbitragem, olvidando-se de um de seus principais atrativos, a expectativa de célere desfecho na solução dos conflitos. Por último, ainda foi ressaltado que o ajuizamento de ação de cumprimento de sentença arbitral não consubstancia execução provisória, já que a extinção da arbitragem ocorre justamente com a prolação da sentença arbitral.

STJ – REsp nº 1.102.460

Reconhecimento de cláusula compromissória de ofício. Sentença arbitral estrangeira homologada pelo STJ. Trata-se de recurso especial em sede de ação de cobrança, no qual a recorrente alega que o magistrado não pode conhecer de ofício cláusula compromissória e extinguir o feito, afirmando que a questão deveria ter sido alegada, preliminarmente, em contestação, sob pena de desrespeito ao princípio da inafastabilidade da autoridade judiciária brasileira. Contudo, o relator ressaltou que o exame da questão estaria prejudicado, já que a sentença estrangeira proferida pelo Tribunal Arbitral da Região Administrativa Especial de Hong Kong, que decidiu a controvérsia existente entre as partes, foi homologada integralmente pelo STJ (SEC 8242), ressaltando, também, que, no julgamento dos embargos de declaração opostos em face dessa decisão, o STJ já teria concluído que as partes teriam convencionado sobre arbitragem dentro dos limites legais e eleito validamente o foro por meio de cláusula compromissória, devendo qualquer conflito ser submetido ao tribunal arbitral e restando preenchidos os requisitos para a internalização da sentença arbitral em território nacional. Desse modo, como a sentença estrangeira passou a integrar o ordenamento jurídico nacional com autoridade de coisa julgada, foi negado seguimento ao recurso especial.

STJ – REsp nº 1.316.522

Sentença arbitral parcial. Ação de anulação. Prazo para interposição. Contratos conexos. Autonomia. Trata-se de recurso especial interposto em sede de ação anulatória de sentença arbitral exarada pelo Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem. A controvérsia centra-se em saber se, no âmbito do procedimento arbitral, em se admitindo a possibilidade de prolação de sentença arbitral parcial, a ação de anulação destinada a infirmar o respectivo comando deve ser intentada nos 90 seguintes ao trânsito em julgado daquela, nos termos do § 1º do art. 33 da Lei n. 9.307/96, sob pena de decadência, ou se poderia ser promovida, a posteriori, por ocasião do trânsito em julgado da sentença arbitral definitiva. O STJ, então, entendeu que tendo em vista que compreende-se a sentença arbitral como gênero, do qual a parcial e a definitiva são espécies, o prazo previsto no § 1º do art. 33 da Lei n. 9.307/96 aplica-se a elas indistintamente, reconhecendo a decadência do direito pleiteado na ação anulatória. Ademais, o Tribunal também entendeu por não ser adequada a decisão proferida pelo Tribunal de origem, que anulou a sentença arbitral definitiva por reputar necessária a participação da Petrobrás na arbitragem na condição de parte, baseando-se, resumidamente, primeiro, na existência de conexão e coligação dos contratos estabelecidos entre as três companhias e, segundo, porque, no bojo de aditivo contratual, houve, no caso de ocorrência de infrações conexas, ajuste de cessão de crédito à parte interveniente, inclusive com adesão ao compromisso arbitral, o que, em sua compreensão, revelaria a condição de parte signatária da Petrobras. Segundo o STJ, a coligação e conexão entre os contratos celebrados não subtrairia a autonomia e individualidade da relação jurídica inserta em cada contrato, com partes e objetos próprios; e, tendo em vista que a Petrobras não assumiu direitos e obrigações no bojo da relação contratual em que era interveniente, não poderia ser reputada como parte contratual.

STJ - REsp nº 1.519.041

Convenção de Arbitragem. Afastamento da Jurisdição Estatal. Competência do Tribunal Arbitral. Trata-se de apelação interposta contra sentença que julgou extinta a ação de obrigação de fazer sem resolução de mérito, nos termos do art. 267, VII, do CPC. O apelante alega que a convenção de arbitragem foi prevista para dirimir controvérsias do contrato, não alcançando o regime de execução específica, uma vez que não se estaria diante de uma ação de conhecimento. Acrescenta que o processo de arbitragem persegue um único fim que é a formação de um título executivo e se o credor já possui o título na execução de obrigação de fazer, não há que se sujeitar ao Tribunal Arbitral. O Tribunal entendeu, contudo, que não se trataria de ação de execução, mas de ação de obrigação de fazer, na qual o autor pretende que se cumpra a obrigação contraída em acordo de acionistas firmado entre as partes, qual seja, a outorga de metade ideal de imóvel. Além disso, as partes convencionaram no contrato cláusula de eleição de juízo arbitral para justamente dirimir eventuais conflitos oriundos desse ajuste, sendo a cláusula arbitral válida e obrigatória. Por fim, alega o TJSP que embora o juízo arbitral seja incompetente para executar títulos de qualquer natureza, as ações cognitivas baseadas em contrato com cláusula compromissória devem ser julgadas pela via arbitral. Dessa forma, se decidiu pela manutenção da sentença apelada, negando provimento ao recurso.

TJSP – Apelação nº 0228009-96.2011.8.26.0100

Execução de sentença arbitral estrangeira. Requisitos formais analisados previamente pelo STJ. Trata-se de apelação interposta contra sentença que acolheu parcialmente os embargos à execução opostos. Alega o apelante, em síntese, a ausência de notificação válida para participar do procedimento arbitral, já que necessária carta rogatória, e a possibilidade do controle formal da sentença arbitral estrangeira pela justiça, uma vez que se trata de análise da inexigibilidade do título. Afirma ainda que não foram cumpridas as exigências do art. 15 da LINDB, e que a notificação encaminhada foi recebida por pessoa estranha ao quadro societário, bem como a ocorrência da prescrição, por não haver a interrupção do prazo prescricional com a instauração de arbitragem sem citação válida. O TJSP entendeu por não alterar a sentença, uma vez que não há a possibilidade de reanalisar os requisitos formais de validade da sentença arbitral, cuja competência é exclusiva do STJ, como também não há necessidade de carta rogatória para instauração de procedimento arbitral. Ainda, afirmou o Tribunal que a citação foi recebida por funcionária da apelante, aplicando-se a teoria da aparência, não podendo extrair qualquer irregularidade do ato citatório. Por consequência, com a validade da citação, houve a interrupção do prazo prescricional. Dessa forma, negou-se provimento ao recurso.

TJSP – Apelação nº 1015228-37.2013.8.26.0068

Alegação de vícios nas cláusulas contratuais. Existência de cláusula compromissória e cláusula de eleição de foro. Competência do Tribunal Arbitral. Trata-se de apelação interposta contra sentença que julgou extinta, sem resolução de mérito, ação regressiva fundada em contrato de prestação de serviços de construção civil. Os apelantes sustentam, em síntese, a não vinculação da coapelante Trisul S/A à convenção arbitral, uma vez que não figura no contrato de prestação de serviços firmado entre a coapelante Abruzo e a apelada. Além disso, afirmam a existência de contrato aditivo com cláusula específica de eleição de foro e revogação expressa de cláusula arbitral, diante da incompatibilidade das cláusulas de arbitragem e de eleição de foro. O TJSP entendeu que não restaram configurados os vícios alegados, pois todas as cláusulas contratualmente estabelecidas tanto no contrato quanto no aditivo seriam legítimas e válidas, inclusive a cláusula compromissória arbitral, eis que não revogada expressamente, sendo que a cláusula de eleição de foro não desnaturaria a questão envolvendo a convenção de arbitragem. Afirmou o Tribunal que a questão da não vinculação da coapelante Trisul à convenção arbitral também deveria ser dirimida no Juízo Arbitral, nos termos dos arts. 8 e 20º da Lei da Arbitragem. Desse modo, negou-se provimento ao recurso de Apelação, mantendo a sentença recorrida.

TJSP – Apelação nº 0198399-49.2012.8.26.0100

Alegação de nulidade da sentença arbitral. Exceção de pré-executividade. Via inadequada. Trata-se de agravo de instrumento com pedido de efeito suspensivo contra decisão que rejeitou a exceção de pré-executividade, por meio da qual o agravante alegou nulidade do título executivo (sentença arbitral) em razão do suposto desatendimento, pelo juízo arbitral, das garantias constitucionais do direito de ação, devido processo legal, contraditório e ampla defesa. Afirmou o Tribunal que a exceção de pré-executividade não seria a via processual adequada para veicular alegação de nulidade de sentença arbitral, que deve ser analisada em sede apropriada que já foi instaurada pela agravante. Dessa forma, o Tribunal manteve a decisão agravada, até porque os vícios alegados – indeferimento de oitiva de testemunhas, imprestabilidade de laudo pericial, desrespeito a normas procedimentais – só poderiam ser debatidos em ação de conhecimento, em observância com o devido processo legal.

TJSP – Agravo de instrumento nº 2137221-69.2015.8.26.0000

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Registration (you must scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions