Brazil: Destaques Das Recentes Alterações No Setor Elétrico Brasileiro

Com a crise de racionamento de 2001, o modelo então adotado para a sistema elétrico mostrou-se ineficaz para garanti os principais objetivos de qualquer serviço público, qual sejam, a confiabilidade de suprimento, modicidade tarifária e universalidade.1

Dessa forma, foi implementado um novo modelo - chamado por alguns de novíssimo modelo2 - que teve como marco regulatório a Medida Provisória nº 144, de 11/12/2003, convertida na Lei 10.848, de 15/03/2004.

Contudo, atualmente estão sendo editadas normas que alteram substancialmente esse modelo, as quais pretendemos sintetizar abaixo.

Portaria MME 455, de 02/08/2012 - Registro de Contratos de Compra e Venda de Energia no ACL

A Portaria MME 455, de 02/08/2012 dispõe sobre o registro de Contratos de Compra e Venda de Energia Elétrica firmados no Ambiente de Comercialização Livre - ACL.

A Portaria em questão cumpre duas funções primordiais: (i) acabar o registro de contratos ex post (artigo 2º da Portaria) e (ii) viabilizar a obtenção de informações sobre o preço da energia negociada no ACL, a fim de propiciar à CCEE elementos para calcular e divulgar indicadores mais transparentes e eficientes para o mercado (artigo 3º da Portaria).

Necessárias algumas explicações sobre as questões enfrentadas na Portaria em comento.

Como é sabido, todos os contratos de comercialização de energia elétrica, sem embargo do ambiente em que inserido - ACR ou ACL, devem ser registrados perante a CCEE, conforme dispõe o Decreto 5.163, de 30/07/2004.

A questão do registro foi tratada em três momentos diferentes, a fim de permitir que o mercado se adapte gradativamente às novas regras.

Antes do advento da Portaria MME 455, de 02/08/2012 e até 01/11/2012 (data por ela estipulada), o registro de contratos de compra e venda de energia negociados no ACL deveriam ser registrados até o mês seguinte ao mês de suprimento (MS+9du) - o chamado registro ex post - , sendo que a quantidade de energia para determinado mês poderia sobre ajuste após a verificação de consumo até o 11º dia útil ao mês seguinte ao suprimento (MS+11du). Esse registro era feito mensalmente perante a CCEE.

Após 01/11/2012 até 30/06/2013, os contratos de compra e venda de energia elétrica negociados no ACL devem ser registrados antes do mês de suprimento - passando o registro a ser ex ante -, podendo contudo haver o ajuste após a verificação do consumo. Nesse período, os registros dos contratos também devem ser mensais.

E, finalmente, a partir de 01/07/2013, os contratos devem ser registrados antes do suprimento - ex ante, portanto - e os montantes contratados também só podem ser alterados antes do início do suprimento, passando a periodicidade de registro perante a CCEE a ser semanal.

Essa alteração visa a atender duas finalidades: acabar com as distorções e abusos verificados com o registro de contrato ex post e tornar o mercado mais eficiente, como ocorre em mercados estrangeiros, onde um registro com menor periodicidade permite a correção de registros de contratos não relacionados com o consumo/fornecimento verificado.

A outra alteração profunda trazida pela Portaria MME 455, de 02/08/2012 consiste na necessidade de as partes, quando do registro dos contratos de compra e venda de energia no ACL, além das informações já antes requeridas (montante de energia, período de fornecimento etc) passarem a informar também o preço da energia, o que passa a ser exigido a partir de 01/07/2013.

Tal exigência foi justificada como uma medida para dar mais transparência e eficiência ao ACL, pois a CCEE poderia calcular e divulgar um índice de preço da energia praticada no ACL, assegurando, assim, a simetria entre os ambientes de negociação (o ACR possui a tarifa regulada e o MCP possui o PLD) e tornando o ACL mais atrativo, dada a maior transparência.

Cumpre lembrar que a informação de preço é tratada pela Portaria MME 455, de 02/08/2012 como confidencial, só podendo ser conhecida pela CCEE.

Esse aspecto da Portaria vem sendo muito criticado, sob a argumentação de que a imposição de informação do preço negociado fere uma das principais características do ACL, qual seja a liberdade de negociação com a estipulação livre de preços, já que se terá uma indexação deles pela CCEE, ou seja, uma forma, ainda que indireta, de intervenção de órgãos institucionais no mercado.

Outra crítica trazida à referida Portaria é o fato de o Ministério de Minas e Energia, órgão que exerce atividade de governo, dispor sobre matéria técnica de comercialização de energia, que deveria ser regulamentada pelo órgão técnico (artigo 3º, XIV da Lei 9.427/1996).

Lei 12.767, de 27/12/2012 (conversão da MP 577/12) - Intervenção em Concessionárias de Serviço Público

A Lei 12.767, de 27/12/2012, dispõe basicamente sobre dois aspectos: (i) extinção da concessão e a prestação temporária de serviço público de energia elétrica e (ii) intervenção em concessionárias de serviço público de energia elétrica para a adequação da prestação do serviço.

O primeiro aspecto não traz disposições de maior controvérsia, uma vez que regula apenas a forma de prestação temporária do serviço público de energia elétrica em caso de caducidade ou falência ou extinção da concessionária.

Já o segundo aspecto trouxe vários debates sobre a questão de intervenção da ANEEL em concessionárias de energia elétrica para assegurar a prestação adequada do serviço e o cumprimento das normas contratuais e legais pertinentes.

A intervenção não é novidade, pois já prevista na Lei 8.987, de 13/02/1995, que dispõe sobre a possibilidade de intervenção para assegurar e adequar a prestação do serviço público e o fiel cumprimento do contrato e da legislação aplicável em seus artigo 32 a 34. De diferente, a Lei ora em comento apenas detalhou o procedimento da intervenção.

As importantes inovações por ela trazidas, motivada por situações concretas de concessionárias, seriam (i) impossibilidade de a concessionária submeter-se ao regime da recuperação judicial e extrajudicial durante a vigência da concessão, bem como (ii) indisponibilidade dos bens dos administradores das concessionárias durante a intervenção ou em caso de extinção da concessão em razão de caducidade ou falência ou liquidação da concessionária, até que se apure as reais responsabilidades deles.

A segunda invocação, em especial, vem causando desconforto no mercado, tendo sido encarada como espécie de "punição cautelar" durante as intervenções, sem que nada possam fazer até que as responsabilidades sejam apuradas, o que pode durar mais de 2 anos.

Lei 12.783, de 11/01/2013 (conversão da MP 579/12) - Renovação de Concessões

Talvez a mais comentada alteração do setor seja aquela decorrente da Lei 12.783, de 11/01/2013, que dispõe sobre a renovação das concessões de serviços de energia elétrica, além. de dispor sobre a redução da tarifa.

Desde a edição da MP 579/12, de cunho fortemente político, muito se criticou as disposições nela contidas, questionando-se a sua constitucionalidade por ter veiculado a matéria em questão via medida provisória (afastando, inclusive, sua discussão prévia no congresso) e por renovar concessões que já teriam sido prorrogadas por uma vez.

De qualquer maneira, ela foi convertida em Lei e traz profundas alterações ao modelo de mercado hoje vigente no país.

A primeira grande alteração foi quanto à renovação das concessões de serviços de geração de energia elétrica, que dependida da aceitação de uma série de condições pelas concessionárias postulantes à renovação.

Entre essas condições, está o chamado sistema de cotas, no qual cotas da garantia física das concessionárias renovadas seriam destinadas à distribuidoras de energia elétrica, que passariam a ser remuneradas apenas pelo custo de operação e manutenção (O&M), já que receberiam indenizações pelos investimentos não amortizados feitos aos bens afetos ao serviço público prestado. Essa redução seria repassada ao consumidor cativo, mediante redução da tarifa da energia elétrica.

Muitas críticas foram feitas a esse sistema, que inclusive, acabou criando um gerador "especial" já que não se enquadrava nas definições dos agentes do setor trazidas pelo Decreto 5.163, de 30/07/2004.

Além disso, criticou-se também as consequências não discutidas desse sistema, como o fato de criar situações não previstas para as geradoras que não aderiram à renovação e, portanto, não se submeteram às condições para ela previstas. Fato que foi, de certa forma, corrigido pela Portaria MME 117, de 05/04/2013.

A mesma renovação foi possibilitada para as transmissoras, que tiveram seus investimentos nos ativos não amortizados indenizados, passando a adotar uma tarifa baseada na O&M. Frise-se que a questão da indenização das transmissoras, que havia considerado todos os bens existentes em 31 de maio de 2000 amortizados, gerou tamanho desconforto e grande pressão sobre o governo, que sua previsão foi corrigida pela Medida Provisória 591, de 29/12/2012.

Outra profunda alteração trazida pela Lei em comento foi a redução da tarifa de energia elétrica, via redução de encargos, como, por exemplo, a exclusão do pagamento da Reserva Global de Reversão - RGR para alguns agentes do setor.

Essa redução traz uma crítica que é a insegurança a e falta de previsibilidade do custo da energia elétrica a longo prazo, já que os encargos seriam destinados à futura manutenção do sistema.

A Lei em questão trouxe outras importantes alterações como a possibilidade de cessão de excedentes por consumidores livres e a majoração do prazo para o retorno de consumidores especiais para o ACR, nenhuma delas livre de críticas e muitas criadoras de certo desconforto a agentes do setor.

Resolução ANEEL 531, de 21/12/2012 - Alteração da metodologia de Cálculo das Garantias Financeiras

Para que um agente possa negociar energia no âmbito da CCEE, ele deve aportar garantias financeiras que mitiguem, de certa forma, o risco de uma possível exposição no MCP (a chamada operação a short).

Para acabar ou pelo menos mitigar "brechas" que o sistema anterior de aporte de garantias possuía, entre outras alterações, inovou-se ao criar a responsabilidade do comprador de energia pela idoneidade e cumprimento do contrato pelo vendedor.

Isso porque, caso a garantia prestada pelo vendedor não seja suficiente para a venda por ele efetivada, o seu contrato de venda registrado será ajustado para corresponder à garantia prestada. O comprador deverá buscar forma de recompor o seu lastro diminuído com o ajuste feito pela CCEE. Ou seja, o montante de energia vendido por um agente será reduzido para equivaler à garantia por ele prestada, caso ela seja insuficiente para a venda realizada, sendo que o comprador terá que suportar as consequências dessa redução, inclusive uma eventual exposição no MCP (posição short).

Essas alterações e uma série de outras que ainda serão implementadas, como a imposição de uma instituição financeira garantidora do limite operacional do agente e a instituição de um fundo garantidor do mercado elétrico, aproxima esse mercado da sistemática hoje adotada por mercados de capitais.

Resolução CNPE 3, de 06/03/2013 - Pagamento do custo decorrente do despacho de usinas fora da ordem de mérito em razão da segurança energética

O ONS pode despachar usinas fora da ordem de mérito para garantir a segurança energética do sistema, ou seja, usinas que tenham um custo de geração maior (normalmente termoelétricas) podem ser acionadas, a fim de garantir o suprimento de energia a todo país e preservar os reservatórios de água.

Uma das hipóteses que impõe tal atuação pelo ONS é um grande período de estiagem que comprometa os reservatórios de usinas hidrelétricas (normalmente com baixo custo de geração), como o enfrentado no final de 2012 e início de 2013.

Para tanto, com a resolução em comento, o CNPE decidiu provisoriamente repartir os custos dos despachos das usinas termoelétricas, fazendo com que ele seja arcado através de Encargo de Serviço do Sistema - ESS (50% dele), inclusive, impondo que os geradores passem a pagar esse encargo (antes pago apenas no âmbito do ACR e pelos consumidores livres) e pela diferença entre os recém criados PLD1 e o PLDfinal (outros 50%).

O PLD1 é utilizado para os agentes que negociem sobras no MCP (long), ou seja, que tenham vendido toda a energia que possuem para determinada liquidação. Nesse PLD não são considerados os custos extras decorrentes da geração de energia em decorrência dos despachos de usinas para a garantia da segurança energética.

Já o PLDfinal é utilizado para agentes que ficaram expostos (short) no MCP, ou seja, agentes que venderam mais energia do que possuíam. Nesse valor estariam incluídos os custos da energia gerada por usinas despachadas fora da ordem de mérito.

Essas são algumas das várias alterações recentemente introduzidas no sistema elétrico brasileiro desde a instituição do atual modelo e que trouxeram importantes alterações, gerando muitas críticas e que tem potencial de trazer grandes consequências ao setor, sejam elas boas ou ruins. O tempo dirá.

Footnotes

1. Nesse sentido: TOLMASQUIM, Maurício T. Novo Modelo do Setor Elétrico Brasileiro, Synergia Editora, 2011, p. 21 e seguintes.

2. PACHECO, Adriane Cristina Spicciati. A Contratação da Compra e Venda de energia Elétrica pelas Concessionárias de Distribuição inRegulação Jurídica do Setor Elétrico, Coordenação LANDAU, Helena.,Lumen Juris Editora, 2006, p. 377

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Registration (you must scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions