Brazil: Consumer Defense Under Brazilian Law - General Aspects Of Consumer Protection (In Portuguese)

O Brasil, em matéria de direitos do consumidor, teve seu grande marco evolutivo com a promulgação da Lei nº 8.078/90, que estabeleceu normas de ordem pública e interesse social, para a sua proteção e defesa, nos termos do que preconiza a Constituição Federal, garantindo a um só tempo, a sua incolumidade físico-psíquica e econômico-financeira. A primeira, se caracteriza na proteção que é dada à saúde e a segurança contra acidentes oriundos dos riscos de produtos e serviços; a segunda, quando os incidentes de consumo venham a atingir o seu patrimônio.

O Código de Proteção e Defesa do Consumidor do Brasil - Lei nº 8.078/90 - instituiu uma política legislativa de consumo que objetiva atender as necessidades dos consumidores; o respeito a sua dignidade; saúde e segurança; a proteção de seus interesses econômicos; e a melhoria da sua qualidade de vida, através da transparência e harmonia das relações de consumo.

Antes da sua promulgação o cidadão brasileiro já dispunha de normas esparsas para a sua proteção. Algumas continuam em vigor, como é exemplo a Lei nº 7.347/85 que regula a ação civil pública de responsabilidade por danos ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico, e o próprio Código Civil. Porém, em matéria de consumo, é o Código de Proteção e Defesa do Consumidor lei específica e exclusiva, e como sua incumbência é a de estabelecer uma disciplina única e uniforme, deve prevalecer naquilo que inovou. Leis anteriores e incompatíveis coexistem apenas com o novo ordenamento naquilo em que forem harmônicos.

E por estas razões mesmo, o 'Código de Defesa do Consumidor', como é chamado pela massa dos brasileiros, levou o país a entrar em linha com os países do primeiro mundo.

Em seus princípios básicos, adotou a Teoria do Risco do Empreendimento, o que significa dizer que, todo aquele que exercer atividade no mercado de consumo, tem o dever de responder por eventuais vícios ou defeitos dos bens e serviços fornecidos, independente de comprovação de culpa, abraçando a Teoria da Responsabilidade Objetiva, mais favorável ao consumidor.

Tais normas, além de caracterizar a modernidade do Código, viabilizam instrumentos de defesa idôneos à satisfação de seus interesses; sancionam práticas abusivas; permitem a ação coletiva; fixam direitos, obrigações e responsabilidades; descrevem atos abusivos na propaganda, na comercialização e na contratação; inclui os profissionais liberais, em seu rol de prestadores de serviços; instrumentalizam os órgãos públicos e estimulam a formação de entidades privadas -"ombudsman" ou "konsumentombudsman" - para a defesa do consumidor junto ao fornecedor, no papel de mediadores, que pretendem alcançar a solução amigável da disputa, sem criar impedimentos ao acesso à via judicial.

Na prática, a lei criou juizados especiais de conciliação e julgamento, ao lado da municipalização do Procon e da prestação de assessoria jurídica gratuita. O consumidor lesado poderá não só defender-se, utilizando-se dos remédios processuais mas também registrar suas queixas em entidades públicas e particulares. Dentre as entidades que registram tais reclamações, orientando o consumidor na defesa de seus interesses, podemos citar: a) Procon - Departamento de Proteção ao Consumidor, cuja atuação é limitada às áreas de alimentos, saúde, habitação, produtos e serviços; b) Decon - Departamento Estadual de Polícia do Consumidor, órgão da Secretaria de Segurança Pública, que atua com três divisões alusivas aos crimes contra a economia popular, saúde pública, meio ambiente e crimes funcionais e fazendários; c) Ipem - Instituto de Pesos e Medidas da Secretaria de Defesa do Consumidor; e) Idec - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, entidade privada, que dá assistência aos associados, restringindo sua atuação junto às pessoas físicas e trabalhando com causas coletivas.

Sob a ótica dos contratos de seguro, matéria que será abordada mais especificamente na parte II deste trabalho, são de relevante interesse as normas que enquadram o seguro como serviço (art. 3°, §2°); e as que estabelecem: a adequação e clareza da informação (art. 6°, III); a inversão do ônus da prova ( art. 6°; inciso VIII); a desconsideração da personalidade jurídica (art. 28); a eventual solidariedade entre o corretor e preposto e segurador e agente (art. 34); a proibição da reciprocidade (art. 39, I ); a necessidade de concordância do segurado com o recalculo do prêmio (art. 39, VI); a utilização indevida de condições de apólice (art. 39, VIII); o prazo para prestação de serviços (art. 39, IX); a cobrança de dívida já paga (art. 42, § único); a prévia ciência das condições da apólice (art. 46); o direito de arrependimento (art. 49); as cláusulas abusivas (art. 51, IV, §1, I, II, III e XV); a de arbitragem quando não expressamente eleita pelo contratante ( art. 51, VII); desvinculação do segurado à proposta (art. 51 IX); e finalmente as cláusulas restritivas ao direito de contratar (art. 54, § 4°).

Sobre o rol das cláusulas contratuais abusivas elencadas no artigo 51, vale lembrar seu caráter exemplificativo, o que nos leva a afirmar que nele estarão enquadradas toda e qualquer cláusula que violar o princípio da boa-fé, que deverá servir de parâmetro à conduta dos contratantes nas relações de consumo.

Ainda no capítulo das inovações, o Código faz distinção expressa entre a prescrição do direito subjetivo e a decadência da faculdade jurídica. Por suas regras haverá decadência sempre que se tratar de vício do produto ou serviço; e haverá a prescrição, quando a hipótese for de dano causado pelo fato do produto ou serviço. No capítulo da decadência fixou o prazo de 30 dias, para os vícios decorrentes de produto ou serviço não-duráveis e 90 dias para os duráveis; e quanto à prescrição estabeleceu prazo único de cinco anos, a contar do conhecimento do dano e de sua autoria.

Dentro da amplitude do tema, e no limite da objetividade, a que se propõe este trabalho, merece comentar as restrições legais feitas ao direito de contratar relações de consumo. Dentre elas destaca-se o direito a informação. O fabricante, vendedor ou prestador de serviço terá o dever de informar o consumidor de todas as características dos produtos e serviços oferecidos, indicando suas condições de uso, bem como deverá assegurar a oferta de componentes e peças de reposição, em quantidade suficiente para o abastecimento do mercado. Oferta e apresentação deverão conter informações claras, precisas, ostensivas e em língua portuguesa. Ainda sobre o direito a informação, é proibido a propaganda enganosa, ou abusiva, entendendo-se como enganosa qualquer modalidade de informação publicitária inteira ou parcialmente falsa, ou, que por qualquer outro modo, mesmo por omissão, seja capaz de induzir em erro o consumidor.

Dentro do mesmo contexto inclui-se os contratos, firmados entre fornecedores e consumidor, por meio de adesão, cujas cláusulas foram aprovadas pela autoridade competente, ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor, impossibilitando-se ao consumidor discuti-las ou modificá-las. Tais contratos não devem ser impresso em letras microscópicas, apresentar redação confusa, conter terminologia técnica, conceitos vagos ou ambíguos, nem cláusulas abusivas ou desvantajosas para um dos contraentes sob pena de invalidade, o que é plenamente justificável pela ausência de negociações preliminares que, em regra, possibilitam a aceitação ou recusa do negócio proposto.

Outros aspectos relevantes sobre restrições legais para os contratos amparados pela Lei nº 8.078/90 dizem respeito: a sua moeda - que deverá ser a moeda corrente nacional; o direito de arrependimento - no prazo de sete dias a contar da assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contração ocorrer fora do estabelecimento comercial; a garantia contratual - que será complementar a legal e conferida mediante termo escrito; as declarações de vontade constantes de escritos particulares, recibos e pré-contratos - que vincularão o fornecedor, ensejando inclusive execução específica; e finalmente a convenção coletiva de consumo, que permite as entidades civis representativas dos fornecedores e consumidores e os sindicatos de categoria econômica, regular, por convenção escrita, relações de consumo que tenham por objeto estabelecer condições relativas ao preço, à qualidade, à quantidade, à garantia e características de produtos e serviços, bem como as condições gerais dos contratos e as formas e meios de reclamação e pacificação do conflito. Tudo é claro, nos moldes do que preconiza o Código do Consumidor.

No campo da responsabilidade pelo fato do produto e do serviço, o fabricante, o produtor, o construtor (nacional ou estrangeiro), e o importador, responderão independente de comprovação da existência de culpa - responsabilidade objetiva - pela reparação dos danos causados por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de produtos de sua propriedade, assim também pelas informações inadequadas ou insuficientes sobre sua utilização e riscos. Dessa forma, a lei abrange a responsabilidade pelos defeitos de fabricação, de concepção (desenho ou projeto) e de comercialização (informação ou instrução). Nesta cenário, comerciante ou distribuidor (varejista ou atacadista), poderá responder subsidiariamente na hipótese de não ter condições técnicas ou operacionais para comprovar se o produto que adquiriu em grande quantidade apresenta ou não algum defeito; e se houver mais de um fabricante, todos terão responsabilidade solidária pelo defeito que se apresente ao consumidor. Nestas circunstâncias, aquele que vier a pagar o dano terá ação regressiva contra os demais responsáveis.

Ainda sob a ótica da responsabilidade o fornecedor de serviços também responderá independentemente da existência de culpa, pelos defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como pelas informações inadequadas ou insuficientes sobre sua utilização e riscos. O que não ocorre com a responsabilidade pessoal dos profissionais liberais, que será apurada sempre mediante a verificação de culpa -responsabilidade subjetiva .

O Código consagra a teoria da responsabilidade objetiva, ressarcindo os danos independente de comprovação de culpa, com algumas exceções como é o caso dos serviços prestados pessoalmente por profissionais liberais (médicos, dentistas, advogados, engenheiros); dos serviços prestados pela administração pública, por vício de qualidade por segurança; e a do fornecedor para garantir a incolumidade econômica do consumidor, em razão de vício de qualidade/quantidade por inadequação, para os quais requer-se a comprovação da culpabilidade.

Na responsabilidade por vício do produto, a solidariedade entre os fornecedores é a regra, e nela inclui-se o comerciante ou distribuidor. Exceção é feita no caso de fornecimento de produtos in natura, onde apenas será responsável o fornecedor imediato, se não identificado claramente o produtor.

Com relação ao fornecedor de serviços, este responderá por vícios de qualidade que os tornem impróprios ao consumo ou lhe diminuam o valor, assim também como responderá por aqueles decorrentes da informação ou indicação inadequada ou insuficiente, quer decorram de simples oferta ou de publicidade. Aliás, sob esse aspecto, a inadequação dos serviços públicos de consumo (transporte coletivo, correio, energia elétrica, telefone, polícia, saúde...) de responsabilidade da Administração Pública, também foi prevista, conforme prevê o texto do artigo 22 da lei.

No que tange as sanções às praticas abusivas dos fornecedores, o Código estabelece punições severas, penalidades rigorosas. Além da imposição da responsabilidade civil objetiva, por acidente de consumo; da responsabilidade civil subjetiva, por incidente de consumo; e de algumas leis esparsas, o Código de Defesa do Consumidor adota a desconsideração da pessoa jurídica, que permite processar o dono da empresa pelos danos de consumo causados. Nítido é o intuito da lei em impedir a consumação de fraudes e abusos de direito cometidos por meio da personalidade jurídica.

A Lei nº 8.078/90 representa um grande avanço no campo do direito e na evolução moral e ética do povo brasileiro. A partir de sua promulgação, lentamente foi se consolidando uma grande mudança, a mudança para uma nova mentalidade em relação ao consumo, despertada pela necessidade de ver valer os direitos do cidadão, através da qualidade dos produtos e serviços que lhe são oferecidos, alterando substancialmente as relações econômicas, em benefício não só do consumidor, mas do próprio mercado.

Nesse contexto, a proteção jurídica assegurada para a prevenção e reparação de danos patrimoniais e morais, individuais, coletivos e difusos com acesso aos órgãos judiciários e administrativos, pode vir a se tornar responsável pela indispensável garantia de acesso à prestação de serviços adequados e eficientes, mudando radicalmente a fisionomia do país, frente as grandes nações.


The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Mondaq Advice Centre (MACs)
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter

|
|
© Mondaq® Ltd 1994 - 2017
All Rights Reserved
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Check to state you have read and
agree to our Terms and Conditions

Terms & Conditions and Privacy Statement

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd and as a user you are granted a non-exclusive, revocable license to access the Website under its terms and conditions of use. Your use of the Website constitutes your agreement to the following terms and conditions of use. Mondaq Ltd may terminate your use of the Website if you are in breach of these terms and conditions or if Mondaq Ltd decides to terminate your license of use for whatever reason.

Use of www.mondaq.com

You may use the Website but are required to register as a user if you wish to read the full text of the content and articles available (the Content). You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these terms & conditions or with the prior written consent of Mondaq Ltd. You may not use electronic or other means to extract details or information about Mondaq.com’s content, users or contributors in order to offer them any services or products which compete directly or indirectly with Mondaq Ltd’s services and products.

Disclaimer

Mondaq Ltd and/or its respective suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the documents and related graphics published on this server for any purpose. All such documents and related graphics are provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers hereby disclaim all warranties and conditions with regard to this information, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. In no event shall Mondaq Ltd and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use or performance of information available from this server.

The documents and related graphics published on this server could include technical inaccuracies or typographical errors. Changes are periodically added to the information herein. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers may make improvements and/or changes in the product(s) and/or the program(s) described herein at any time.

Registration

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including what sort of information you are interested in, for three primary purposes:

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting.
  • To enable features such as password reminder, newsletter alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our information providers who provide information free for your use.

Mondaq (and its affiliate sites) do not sell or provide your details to third parties other than information providers. The reason we provide our information providers with this information is so that they can measure the response their articles are receiving and provide you with information about their products and services.

If you do not want us to provide your name and email address you may opt out by clicking here .

If you do not wish to receive any future announcements of products and services offered by Mondaq by clicking here .

Information Collection and Use

We require site users to register with Mondaq (and its affiliate sites) to view the free information on the site. We also collect information from our users at several different points on the websites: this is so that we can customise the sites according to individual usage, provide 'session-aware' functionality, and ensure that content is acquired and developed appropriately. This gives us an overall picture of our user profiles, which in turn shows to our Editorial Contributors the type of person they are reaching by posting articles on Mondaq (and its affiliate sites) – meaning more free content for registered users.

We are only able to provide the material on the Mondaq (and its affiliate sites) site free to site visitors because we can pass on information about the pages that users are viewing and the personal information users provide to us (e.g. email addresses) to reputable contributing firms such as law firms who author those pages. We do not sell or rent information to anyone else other than the authors of those pages, who may change from time to time. Should you wish us not to disclose your details to any of these parties, please tick the box above or tick the box marked "Opt out of Registration Information Disclosure" on the Your Profile page. We and our author organisations may only contact you via email or other means if you allow us to do so. Users can opt out of contact when they register on the site, or send an email to unsubscribe@mondaq.com with “no disclosure” in the subject heading

Mondaq News Alerts

In order to receive Mondaq News Alerts, users have to complete a separate registration form. This is a personalised service where users choose regions and topics of interest and we send it only to those users who have requested it. Users can stop receiving these Alerts by going to the Mondaq News Alerts page and deselecting all interest areas. In the same way users can amend their personal preferences to add or remove subject areas.

Cookies

A cookie is a small text file written to a user’s hard drive that contains an identifying user number. The cookies do not contain any personal information about users. We use the cookie so users do not have to log in every time they use the service and the cookie will automatically expire if you do not visit the Mondaq website (or its affiliate sites) for 12 months. We also use the cookie to personalise a user's experience of the site (for example to show information specific to a user's region). As the Mondaq sites are fully personalised and cookies are essential to its core technology the site will function unpredictably with browsers that do not support cookies - or where cookies are disabled (in these circumstances we advise you to attempt to locate the information you require elsewhere on the web). However if you are concerned about the presence of a Mondaq cookie on your machine you can also choose to expire the cookie immediately (remove it) by selecting the 'Log Off' menu option as the last thing you do when you use the site.

Some of our business partners may use cookies on our site (for example, advertisers). However, we have no access to or control over these cookies and we are not aware of any at present that do so.

Log Files

We use IP addresses to analyse trends, administer the site, track movement, and gather broad demographic information for aggregate use. IP addresses are not linked to personally identifiable information.

Links

This web site contains links to other sites. Please be aware that Mondaq (or its affiliate sites) are not responsible for the privacy practices of such other sites. We encourage our users to be aware when they leave our site and to read the privacy statements of these third party sites. This privacy statement applies solely to information collected by this Web site.

Surveys & Contests

From time-to-time our site requests information from users via surveys or contests. Participation in these surveys or contests is completely voluntary and the user therefore has a choice whether or not to disclose any information requested. Information requested may include contact information (such as name and delivery address), and demographic information (such as postcode, age level). Contact information will be used to notify the winners and award prizes. Survey information will be used for purposes of monitoring or improving the functionality of the site.

Mail-A-Friend

If a user elects to use our referral service for informing a friend about our site, we ask them for the friend’s name and email address. Mondaq stores this information and may contact the friend to invite them to register with Mondaq, but they will not be contacted more than once. The friend may contact Mondaq to request the removal of this information from our database.

Security

This website takes every reasonable precaution to protect our users’ information. When users submit sensitive information via the website, your information is protected using firewalls and other security technology. If you have any questions about the security at our website, you can send an email to webmaster@mondaq.com.

Correcting/Updating Personal Information

If a user’s personally identifiable information changes (such as postcode), or if a user no longer desires our service, we will endeavour to provide a way to correct, update or remove that user’s personal data provided to us. This can usually be done at the “Your Profile” page or by sending an email to EditorialAdvisor@mondaq.com.

Notification of Changes

If we decide to change our Terms & Conditions or Privacy Policy, we will post those changes on our site so our users are always aware of what information we collect, how we use it, and under what circumstances, if any, we disclose it. If at any point we decide to use personally identifiable information in a manner different from that stated at the time it was collected, we will notify users by way of an email. Users will have a choice as to whether or not we use their information in this different manner. We will use information in accordance with the privacy policy under which the information was collected.

How to contact Mondaq

You can contact us with comments or queries at enquiries@mondaq.com.

If for some reason you believe Mondaq Ltd. has not adhered to these principles, please notify us by e-mail at problems@mondaq.com and we will use commercially reasonable efforts to determine and correct the problem promptly.