Brazil: A Crise Das Sociedades De Economia Mista No Brasil: Limites Da Subordinação Ao Interesse Público

Last Updated: 12 May 2017
Article by Manoel Vargas Franco Netto

Resumo: O presente artigo busca analisar as origens das sociedades de economia mista, a regência constitucional da intervenção do Estado no domínio econômico, a governança corporativa dessas sociedades e, fundamentalmente, quais os legítimos limites da subordinação dos interesses das mesmas ao interesse público.

Palavras-chaves: Sociedade Anônima ou Companhia. Sociedade de Economia Mista. Intervenção do Estado no Domínio Econômico. Administração Indireta. Interesse Público Primário e Secundário. Limites à Subordinação ao Interesse Público. Governança Corporativa na Sociedade de Economia Mista.

1. Introdução: origens das sociedades de economia mista: direito comparado e direito brasileiro.

A doutrina costuma vincular a origem das sociedades de economia mista – onde há a associação entre capitais públicos e privados – às companhias de comércio coloniais da Holanda e Inglaterra, no século XVII, mais remotamente à Companhia Holandesa das Índias Orientais, criada no início do século, em 1602. Ali, pela primeira vez, limitou-se a responsabilidade de todos os sócios ao preço de emissão das ações subscritas. Mais ainda, foram conferidas características às ações que representavam o capital social em tudo similares às dos títulos de crédito. Isso mediante a autorização da incorporação dos direitos de sócio a títulos corpóreos e de livre circulação na economia, denominados ações. Estabeleceu-se a associação entre os capitais públicos – das coroas da época – aos capitais privados disponíveis na economia – armadores, comerciantes, senhores feudais e outros súditos (VENÂNCIO FILHO, 1968: 373 e ss.) 1.

Enquanto Holanda e Inglaterra, em momentos sucessivos, optaram pela associação entre capitais privados e atuação estatal, Portugal e Espanha tomaram o caminho da política do monopólio estatal para o desenvolvimento daquela era comercial, utilizando sociedades colonizadoras. Há ainda as companhias francesas e suecas, criadas na mesma época ou um pouco depois.

Já no século seguinte à criação das sociedades anônimas (XVIII), verificaram-se as primeiras fraudes, na Inglaterra, com o escândalo da South Sea Company, e na França, com a quebra do Banco Real. Tanta gente foi arruinada e tanto capital perdido que os escândalos devastaram o novo tipo societário e provocaram seu ocaso e banimento por longos anos (LAMY FILHO e BULHÕES PEDREIRA, 2009: 5 e ss.) 2.

A retomada e livre criação das sociedades anônimas, para impulsionar a Revolução Industrial, ocorreram apenas no século XIX, em 1811 nos Estados Unidos (Estado de Nova York), em 1844 na Inglaterra, e em 1867 na França. No Brasil, a livre constituição das sociedades anônimas produziu efeitos no fim do século, em 1882 (Lei nº 3.150).

A participação direta do Estado na economia e em parceria com a iniciativa privada, no desempenho de atividades empresárias, pode ser identificada em diversos ordenamentos jurídicos. Não há, no entanto, completa identidade com a modalidade de sociedade de economia mista estabelecida no sistema brasileiro, o que a torna assim única e singular.

Na Alemanha, Argentina, Eslovênia e França, dentre outros, segundo recente estudo do programa de iniciação científica do Departamento de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro3, há a possibilidade da intervenção do Estado na economia mediante a associação entre capitais públicos e privados, mas a constituição dos respectivos veículos nem sempre requer a forma de sociedade anônima ou autorização legal e atendimento a relevante interesse coletivo, e nem sempre subordina a empresa, de modo preponderante, ao direito privado, como no caso brasileiro. Na nossa situação, há maior rigidez no modelo, a justificar a participação do Estado na economia, através de entidade de sua administração indireta.

Em Cuba – que vale citar pela significação em regime socialista, de economia centralizada –, como se verificou em conferência realizada em maio de 2016 entre a Universidade da Flórida e a Universidade de Havana4, as sociedades de economia mista são instrumento de investimentos externos naquele País (no atual movimento de reinserção de Cuba na economia internacional, com o iminente – ou ao menos esperado – fim do embargo dos Estados Unidos, após o restabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países, nos governos Raúl Castro e Barack Obama), mediante associação entre o Estado cubano e o investidor privado estrangeiro. Também diferente do que ocorre aqui, em que a associação se dá entre investimento estatal interno e geralmente investimentos privados, de origem interna ou estrangeira, podendo até mesmo comportar investimento estatal externo (capitais chineses no pré-sal, a título de exemplo).

Entre nós foi histórica a criação do Banco do Brasil, em 1808, já naquele tempo espécie de sociedade assemelhada à companhia anônima de economia mista – como a conhecemos hoje –, criada com a vinda do Príncipe Regente, D. João de Bragança, em fuga dos exércitos de Napoleão, cuja corte veio a se abrigar no Brasil em tal época, bastante anterior ao Código Comercial brasileiro de 1850 e à liberdade de constituição de sociedades anônimas no País (Lei 3.150/1882). Não deixava de ser sociedade assemelhada à de economia mista, porque possuía como acionistas privados minoritários banqueiros portugueses, associados à Coroa, e atuava como banco comercial. Atuava também, de outro lado, como emissor de moeda e fez as tarefas de banco central até a criação deste já no século seguinte. O Banco do Brasil já traz em si toda natural tensão entre público e privado, entre ação estatal e exploração privada da economia. Entre regulação e atividade competitiva.

O mesmo ocorreu mais de um século após, na década de 40 do século XX, no primeiro governo do presidente Getúlio Vargas, com o início da industrialização do Brasil, pela construção e instalação da Companhia Siderúrgica Nacional – CSN, sociedade de economia mista, conquistada pelo País como resultado da nossa participação na II Grande Guerra, primeira siderúrgica integrada estabelecida em nosso solo. A negociação entre os governos brasileiro e americano envolvendo a criação da CSN se materializou nos chamados Acordos de Washington e os fundos americanos originaram-se do Eximbank. A privatização da CSN encerrou forte polêmica nacionalista e foi concretizada em 1993, no governo Itamar Franco.

Como parte do mesmo projeto de desenvolvimento econômico que visava à industrialização do País, foi criada, em 1942, a sociedade de economia mista denominada Companhia Vale do Rio Doce – CVRD. No contexto da aproximação do Brasil com as potências aliadas na II Guerra Mundial, a CVRD incorporou o patrimônio de jazidas da Itabira Iron Ore Company, mediante gestões diplomáticas com o governo britânico. Na década de 50, a CVRD já consolidara sua posição no mercado mundial, e expandiu-se nas décadas seguintes com a construção e exploração do porto de Tubarão, nas cercanias de Vitória (ES). Com atuação concentrada nas jazidas de minério de ferro em Minas Gerais, a CVRD, anos mais tarde, passou a operar também em Carajás, no sul do Pará. Sua privatização, nos anos 90, foi das mais polêmicas, tendo em vista o histórico nacionalista envolvendo a propriedade do subsolo pelo Estado e a vedação ao controle de capitais estrangeiros nas atividades de mineração, só suplantada pela Emenda Constitucional nº 6, de 15 de agosto de 19955.

Houve também, na década de 50, a inauguração da nossa atividade de exploração do petróleo, com o surgimento do monopólio estatal – decorrente de acalorados debates de então entre forças políticas nacionalistas – levado a efeito por uma sociedade de economia mista, a Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, titular do monopólio até a década de 90 – que passou às mãos do Estado – e participante da livre competição, nos dias de hoje, ao menos em certa medida, até que modificadas e aprimoradas a legislação do pré-sal e as extensas e intrínsecas relações entre a Petrobras e o governo brasileiro. Essas contradições entre público e privado, atividade reguladora e concorrência permearão a análise deste trabalho.

A criação da Eletrobras, companhia de economia mista, foi também proposta, em 1954, no segundo governo do presidente Getúlio Vargas, para desenvolvimento da energia elétrica no País. O projeto, porém, sofreu forte oposição e a turbulência política da época e só foi aprovado após sete anos em tramitação no Congresso, em 25 de abril de 1961. A instalação da empresa ocorreu em 11 de junho de 1962, já sob a presidência de João Goulart.

Vale citar ainda o Instituto de Resseguros do Brasil – IRB, sociedade de economia mista atípica, criada anos antes, na década de 30 e consolidada na década seguinte, com o objetivo de desenvolver as atividades de resseguros e fomentar o segmento de seguros no Brasil – à época o resseguro era contratado no Reino Unido e alhures e o seguro dominado por empresas internacionais –, e que até recentemente atuou como órgão regulador e sociedade monopolista, com o controle da União Federal e participação variável das sociedades seguradoras nacionais. Já no final do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, na preparação da privatização da atividade, o IRB foi transformado em sociedade de economia mista típica e perdeu seus poderes regulatórios, transferidos à Superintendência de Seguros Privados – Susep, deixando de atuar como monopólio, em razão da abertura do setor de resseguros à competição.

Finalmente, dentre tantas situações especiais, cumpre fazer referência à Rede Ferroviária Federal S.A. – RFFSA, outra companhia de economia mista, criada na década de 50, em 1957, para abrigar as atividades ferroviárias brasileiras, então fragmentadas em diversas ferrovias regionais de natureza distinta, cobrindo boa parte do território nacional, e que sucumbiu por graves problemas de gestão, tendo suas atividades privatizadas na década de 90.

No programa brasileiro de privatização, tanto federal como estadual, a partir das décadas de 80 e 90, foram privatizadas atividades (no todo ou em parte) e sociedades de economia mista de diversos setores, como: siderurgia (CSN, Usiminas, Cosipa, Companhia Siderúrgica de Tubarão – CST, Açominas, etc.); petroquímica e fertilizantes (Petroquisa, etc.); indústria de aeronaves e jatos comerciais (Embraer, etc.); telefonia móvel e fixa (Telesp, Telerj, etc.); gás (CEG, CEG-Rio, etc.); energia elétrica – produção, transmissão e distribuição (Eletropaulo, Light, etc.); mineração (Vale S.A., ex-Companhia Vale do Rio Doce – CVRD, etc.); sistema financeiro e de resseguros (com destaque para os bancos dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro – Banespa e Banerj, e as atividades do IRB, estas antes monopolistas); transporte ferroviário de cargas e passageiros (RFFSA, etc.); água e saneamento ( hoje ainda incipiente); portos e aeroportos (Galeão, Guarulhos, etc.); rodovias e pontes (ponte Rio-Niterói, rodovia Castelo Branco-Raposo Tavares, dentre várias outras)6.

Mas a iniciativa e o capital do Estado eram essenciais – e ainda serão - ao desenvolvimento de várias das citadas atividades, e de outras na economia, pela escassez de capital privado ou pela necessidade ditada por políticas públicas.

To view the full article please click here

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Check to state you have read and
agree to our Terms and Conditions

Terms & Conditions and Privacy Statement

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd and as a user you are granted a non-exclusive, revocable license to access the Website under its terms and conditions of use. Your use of the Website constitutes your agreement to the following terms and conditions of use. Mondaq Ltd may terminate your use of the Website if you are in breach of these terms and conditions or if Mondaq Ltd decides to terminate your license of use for whatever reason.

Use of www.mondaq.com

You may use the Website but are required to register as a user if you wish to read the full text of the content and articles available (the Content). You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these terms & conditions or with the prior written consent of Mondaq Ltd. You may not use electronic or other means to extract details or information about Mondaq.com’s content, users or contributors in order to offer them any services or products which compete directly or indirectly with Mondaq Ltd’s services and products.

Disclaimer

Mondaq Ltd and/or its respective suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the documents and related graphics published on this server for any purpose. All such documents and related graphics are provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers hereby disclaim all warranties and conditions with regard to this information, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. In no event shall Mondaq Ltd and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use or performance of information available from this server.

The documents and related graphics published on this server could include technical inaccuracies or typographical errors. Changes are periodically added to the information herein. Mondaq Ltd and/or its respective suppliers may make improvements and/or changes in the product(s) and/or the program(s) described herein at any time.

Registration

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including what sort of information you are interested in, for three primary purposes:

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting.
  • To enable features such as password reminder, newsletter alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our information providers who provide information free for your use.

Mondaq (and its affiliate sites) do not sell or provide your details to third parties other than information providers. The reason we provide our information providers with this information is so that they can measure the response their articles are receiving and provide you with information about their products and services.

If you do not want us to provide your name and email address you may opt out by clicking here .

If you do not wish to receive any future announcements of products and services offered by Mondaq by clicking here .

Information Collection and Use

We require site users to register with Mondaq (and its affiliate sites) to view the free information on the site. We also collect information from our users at several different points on the websites: this is so that we can customise the sites according to individual usage, provide 'session-aware' functionality, and ensure that content is acquired and developed appropriately. This gives us an overall picture of our user profiles, which in turn shows to our Editorial Contributors the type of person they are reaching by posting articles on Mondaq (and its affiliate sites) – meaning more free content for registered users.

We are only able to provide the material on the Mondaq (and its affiliate sites) site free to site visitors because we can pass on information about the pages that users are viewing and the personal information users provide to us (e.g. email addresses) to reputable contributing firms such as law firms who author those pages. We do not sell or rent information to anyone else other than the authors of those pages, who may change from time to time. Should you wish us not to disclose your details to any of these parties, please tick the box above or tick the box marked "Opt out of Registration Information Disclosure" on the Your Profile page. We and our author organisations may only contact you via email or other means if you allow us to do so. Users can opt out of contact when they register on the site, or send an email to unsubscribe@mondaq.com with “no disclosure” in the subject heading

Mondaq News Alerts

In order to receive Mondaq News Alerts, users have to complete a separate registration form. This is a personalised service where users choose regions and topics of interest and we send it only to those users who have requested it. Users can stop receiving these Alerts by going to the Mondaq News Alerts page and deselecting all interest areas. In the same way users can amend their personal preferences to add or remove subject areas.

Cookies

A cookie is a small text file written to a user’s hard drive that contains an identifying user number. The cookies do not contain any personal information about users. We use the cookie so users do not have to log in every time they use the service and the cookie will automatically expire if you do not visit the Mondaq website (or its affiliate sites) for 12 months. We also use the cookie to personalise a user's experience of the site (for example to show information specific to a user's region). As the Mondaq sites are fully personalised and cookies are essential to its core technology the site will function unpredictably with browsers that do not support cookies - or where cookies are disabled (in these circumstances we advise you to attempt to locate the information you require elsewhere on the web). However if you are concerned about the presence of a Mondaq cookie on your machine you can also choose to expire the cookie immediately (remove it) by selecting the 'Log Off' menu option as the last thing you do when you use the site.

Some of our business partners may use cookies on our site (for example, advertisers). However, we have no access to or control over these cookies and we are not aware of any at present that do so.

Log Files

We use IP addresses to analyse trends, administer the site, track movement, and gather broad demographic information for aggregate use. IP addresses are not linked to personally identifiable information.

Links

This web site contains links to other sites. Please be aware that Mondaq (or its affiliate sites) are not responsible for the privacy practices of such other sites. We encourage our users to be aware when they leave our site and to read the privacy statements of these third party sites. This privacy statement applies solely to information collected by this Web site.

Surveys & Contests

From time-to-time our site requests information from users via surveys or contests. Participation in these surveys or contests is completely voluntary and the user therefore has a choice whether or not to disclose any information requested. Information requested may include contact information (such as name and delivery address), and demographic information (such as postcode, age level). Contact information will be used to notify the winners and award prizes. Survey information will be used for purposes of monitoring or improving the functionality of the site.

Mail-A-Friend

If a user elects to use our referral service for informing a friend about our site, we ask them for the friend’s name and email address. Mondaq stores this information and may contact the friend to invite them to register with Mondaq, but they will not be contacted more than once. The friend may contact Mondaq to request the removal of this information from our database.

Security

This website takes every reasonable precaution to protect our users’ information. When users submit sensitive information via the website, your information is protected using firewalls and other security technology. If you have any questions about the security at our website, you can send an email to webmaster@mondaq.com.

Correcting/Updating Personal Information

If a user’s personally identifiable information changes (such as postcode), or if a user no longer desires our service, we will endeavour to provide a way to correct, update or remove that user’s personal data provided to us. This can usually be done at the “Your Profile” page or by sending an email to EditorialAdvisor@mondaq.com.

Notification of Changes

If we decide to change our Terms & Conditions or Privacy Policy, we will post those changes on our site so our users are always aware of what information we collect, how we use it, and under what circumstances, if any, we disclose it. If at any point we decide to use personally identifiable information in a manner different from that stated at the time it was collected, we will notify users by way of an email. Users will have a choice as to whether or not we use their information in this different manner. We will use information in accordance with the privacy policy under which the information was collected.

How to contact Mondaq

You can contact us with comments or queries at enquiries@mondaq.com.

If for some reason you believe Mondaq Ltd. has not adhered to these principles, please notify us by e-mail at problems@mondaq.com and we will use commercially reasonable efforts to determine and correct the problem promptly.