Brazil: Arbitration In The Port Sector: An Important Step For The Diffusion Of Arbitration Within The Public Administration

Last Updated: 28 February 2016
Article by Carlos Augusto Da Silveira Lobo

Área do Direito: Arbitragem; Administrativo

Resumo: O recente Dec. 8.465, de 08.06.2015, dispôs sobre os termos em que as entidades da administração pública direta e indireta do setor portuário podem contratar convenções de arbitragem tendo por objeto obrigações pecuniárias. Embora veicule instruções internas da administração pública dirigida a seus agentes, o Decreto deve ser examinado atentamente pelas empresas portuárias, dada a natureza consensual das convenções de arbitragem. Dentre outras disposições, destaca-se o art. 13, que provê meios para resolver por arbitragem, inclusive cautelarmente, os débitos controvertidos das empresas portuárias, que vêm entravando a prorrogação e a contratação de contratos com a administração pública. Evidentemente, a solução de tais litígios, mediante um processo célere e especializado, interessa tanto às empresas quanto ao governo. Com a entrada em vigor da Lei 13.129, abrindo espaço para a arbitragem no setor público, prevê-se que as empresas públicas e sociedades de economia mista terão tanta presença em arbitragem quanto as empresas privadas.

Palavras-chave: Arbitragem – Administração Pública – Portos.

Abstract: The recent Decree 8.465, dated June 8, 2015 establishes the terms that may be agreed by Government port authorities while contracting arbitration agreements with port operators in respect of monetary obligations. Although being internal instructions from the public administration to its agents the decree attracts the concern of the private companies operating in the ports in view of the consensual nature of the arbitral agreements. Among other provisions, article 13 of the decree is worth noting as it provides ways to solve by arbitration, including by preliminary injunction, port operators controversial debts which are blocking the execution of new agreements and amendments with the Government port authorities. Evidently the resolution of such litigations through a fast and specialized legal procedure is of interest not only to the port operator but also to the Government port authorities. Now, that Law 13,129 opened the doors of the public sector to arbitration, it is envisaged that Government agencies and State controlled and wholly owned companies will participate in arbitrations as much as the private companies.

Keywords: Arbitration – Public Administration – Ports.

Sumário: 1. O § 1.º do art. 62 da Lei de Portos – 2. Curiosa anomalia – 3. Sobrevivência porque não é regulamento – 4. Comandos dirigidos a servidores públicos sobre como contratar convenções de arbitragem – 5. Prorrogação de contrato com empresa portuária declarada inadimplente – 6. A escolha dos árbitros – 7.Outros pontos relevantes do Dec. 8.465 – 8. Caso pioneiro – 9. Perspectivas de desenvolvimento da arbitragem no seio da administração pública.

Não obstante a reprovação da doutrina e da jurisprudência, era comum no seio da administração pública o entendimento de que não podiam ser arbitrados os litígios em que figurasse como parte um ente público. Em termos de direito positivo, invocava-se o § 2.º do art. 55 da Lei 8.666, de 21.06.1993 (Lei de Licitações e Contratos Administrativos), que exigia constasse dos contratos celebrados pela Administração pública cláusula elegendo como competente o foro da sede da entidade pública contratante para dirimir qualquer questão contratual.1

O próprio § 2.º do art. 55 já previa uma exceção à regra nele disposta, ao permitir a arbitragem em relação a certos contratos firmados com entidades financeiras internacionais, ou com recursos por elas disponibilizados.2 Seguiram-se diversas leis especiais, ensejando a solução por arbitragem de litígios oriundos de contratos nelas previstos.3

Entre essas disposições especiais destaca-se a do § 1.º do art. 62 da Lei 12.815, de 05.06.2013 (Lei de Portos)4 a ser objeto de atenção neste trabalho.

1. O § 1.º do art. 62 da Lei de Portos

O caput do art. 62 da Lei de Portos dispõe que ficam impedidas de celebrar ou prorrogar contratos de concessão e arrendamento, bem como de obter novas autorizações, as concessionárias, arrendatárias, autorizatárias e operadoras portuárias, que tenham sido declaradas inadimplentes por decisão final administrativa, com relação ao recolhimento de tarifas portuárias e outras obrigações financeiras perante a Administração do Porto e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

O § 1.º do art. 62 facultava5 o uso da arbitragem para resolver os litígios decorrentes da inconformidade da empresa portuária com a decisão administrativa que a tivesse declarado inadimplente, impedindo-a de contratar com a Administração pública.

Com efeito, a busca de uma solução para esses litígios, menos demorada e mais informada de fundamentos técnicos especializados, consulta os interesses, tanto da administração pública quanto das empresas portuárias. Ambas almejam uma célere resolução da controvérsia, para que não se prolongue a situação duvidosa, impedindo um agente econômico especializado e experimentado de participar de empreendimentos de utilidade pública, como são os do setor portuário. Também é do interesse de ambas que a decisão seja confiada a juízes familiarizados com as peculiaridades do ambiente portuário e de sua legislação especial. Nessa perspectiva, não se pode deixar de considerar que, em muitos casos, também o próprio princípio da moralidade administrativa exige a solução célere do litígio.

Assim, o § 1.º do art. 62 da Lei de Portos constituía uma das exceções à regra geral do § 1.º do art. 55 da Lei 8.666 (Lei de Licitações e Contratos Administrativos), restritiva da arbitragem (vide nota 1 supra).

Essa regra geral restritiva da arbitragem foi revogada por outra regra geral que liberou a arbitragem no âmbito da Administração pública direta e indireta: o § 1.º do art. 1º da recente Lei 13.129, de 26.05.2015 (Nova Lei de Arbitragem),6 com o que perdeu razão de ser o § 1.º do art. 62 da Lei de Portos.

2. Curiosa anomalia

O objetivo de regulamentar o § 1.º do art. 62 da Lei dos Portos, declarado na ementa do recente Dec. 8.465, objeto de nosso foco, configura uma curiosa anomalia cronológica, pois, se assim fosse, estaríamos diante de um regulamento publicado para regulamentar uma lei moribunda, já sentenciada à morte. Com efeito, a Nova Lei de Arbitragem foi publicada em 26 de maio e entrou em vigor em 27.07.2015, por força da vacatio legis de 60 dias estabelecida no seu art. 5.º; o Dec. 8.465 foi publicado em 09.06.2015 e entrou em vigor na data de sua publicação, ou seja, com a lei revogatória já publicada e em vacância por apenas mais 49 dias.

3. Sobrevivência porque não é regulamento

Todavia, não faleceu o Dec. 8.465 com a entrada em vigor da Nova Lei de Arbitragem. Sobrevive ao dispositivo de lei dito regulamentado porque, em verdade, ultrapassou seus lindes, estendendo-se no art. 2º à "inadimplência de obrigações contratuais por qualquer das partes" e "questões relacionadas à recomposição do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos"; portanto muito além das obrigações referidas no caput do art. 62 da Lei dos Portos, abrangendo quase todo o universo das questões arbitráveis no setor portuário.

Temos, então, outra curiosa circunstância: a ilegalidade confere sobrevida ao Dec. 8.465, na sua natureza verdadeira: não de um regulamento arbitral, mas de instrução normativa destinada aos representantes das entidades públicas no setor portuário sobre os termos em que poderão contratar convenções de arbitragem (cláusulas compromissórias ou compromissos) com as empresas portuárias.

4. Comandos dirigidos a servidores públicos sobre como contratar convenções de arbitragem

Nesse sentido, por ser um conjunto de comandos administrativos, o Dec. 8.465 poderá constituir incentivo aos agentes públicos para convencionarem arbitragem ao amparo de normas aprovadas pela presidência da República. A Lei de Arbitragem não precisa de regulamentação, mas o Dec. 8.465 serve como "marco regulatório", que aliviará o agente público do receio de reprimendas por confiar a um tribunal privado a decisão de causa do interesse da administração pública.

É de se observar que os comandos do Dec. 8.465, posto que dirigidos a entidades da administração pública, atingem indiretamente as empresas portuárias, ainda que privadas. Com efeito, se a entidade privada não concordar com qualquer das disposições do decreto, não haverá o consenso necessário à convenção de arbitragem, com o que ficará bloqueada a via arbitral. Visto sob esse ângulo, o Dec. 8.465 cria uma espécie de consentimento por adesão: ou se concorda com o seu pacote de comandos, ou não se tem o consenso necessário à arbitragem.

Portanto, em suma, o Dec. 8.465 exige dos representantes das entidades da administração pública direta e indireta que se atenham às suas disposições, ao negociarem convenções de arbitragem com empresas portuárias. Se não se ativerem, estar-se-ão sujeitando a penalidades administrativas, mas a convenção de arbitragem será válida na medida em que observe os preceitos legais e constitucionais aplicáveis à arbitragem em geral.

Ressalve-se que não se tocou nas cláusulas compromissórias acaso já pactuadas nos contratos existentes, assim como nos compromissos celebrados antes da vigência do Dec. 8.465. Também nada impede que, nos contratos existentes despidos de cláusula compromissória, seja firmado termo aditivo para alterar ou mesmo revogar a cláusula de foro judicial, substituindo-a pela cláusula compromissória, devendo esta observar o decreto. Seja por fim ressaltado que não há óbice à celebração de compromisso para resolver determinado litígio concreto que acaso surja na execução de contratos que contenham cláusula de foro judicial.

O pacote de comandos do Dec. 8.465 contém várias disposições judiciosas e algumas disposições amargas, mas palatáveis às empresas portuárias premidas pelo justo desejo de ver resolvidas as pendências sobre débitos, que reputam indevidos, e voltar à normalidade dos seus negócios.

5. Prorrogação de contrato com empresa portuária declarada inadimplente

É de se destacar o art. 13 do Dec. 8.465, que viabiliza a prorrogação de contrato de empresa portuária declarada inadimplente se o correspondente débito for controvertido em processo arbitral.

Para esse efeito, o tribunal arbitral, ou o árbitro único se for o caso, fixará o valor provisório da obrigação em litígio. A empresa portuária deverá (i) quitar os valores incontroversos devidos à administração pública, se houver; (ii) depositar à disposição do juízo7 o valor provisório da obrigação em litígio; (iii) obrigar-se a pagar o total do valor a que for condenado, nas condições e prazos estabelecidos na sentença arbitral definitiva.

O termo aditivo de prorrogação será firmado, considerando o valor provisório, sem prejuízo de posterior reequilíbrio mediante outro termo aditivo, em vista da sentença arbitral definitiva.

Caso o árbitro ou tribunal arbitral não fixe o valor provisório até 90 dias antes do término do contrato, o Poder Concedente o fixará em consonância com os valores de contratos similares. O valor assim fixado vigerá até a sentença arbitral definitiva.

Se a sentença arbitral for condenatória, estabelecerá prazo não superior a cinco anos, para pagamento do débito. Se o árbitro ou tribunal arbitral fixar prazo superior a 180 dias, o pagamento se fará em prestações periódicas, vencendo-se a primeira até 180 dias após a ciência da decisão.

6. A escolha dos árbitros

Só os litígios de valor igual ou inferior a R$20 milhões podem ser decididos por árbitro único. No caso de nomeação de um tribunal arbitral, pelo menos um dos árbitros deverá ser bacharel em Direito. O árbitro estrangeiro deverá possuir visto que autorize o exercício da atividade no Brasil, o que parece ser uma exigência estapafúrdia.

O § 3.º do art. 3º determina que os árbitros sejam escolhidos de comum acordo entre as partes. O § 1.º do art. 7º deixa claro que essa exigência deverá ser observada ainda que as partes tenham elegido o regulamento de uma instituição de arbitragem que disponha diferentemente. Sabe-se que a praxe observada por quase todos os regulamentos de arbitragem, no Brasil e no exterior, é no sentido de cada parte nomear um árbitro, devendo os árbitros assim nomeados, ou as próprias partes, escolherem em comum o árbitro presidente. Os regulamentos das câmaras de arbitragem propõem soluções para os casos em que uma das partes não indica árbitro, ou quando não se consegue consenso sobre a eleição do árbitro presidente, ou quando se verifica que fatores objetivos justificam a impugnação de um árbitro por não merecer a confiança das partes. Todavia, não há solução prevista para a hipótese inusitada de a convenção de arbitragem dispor que os três árbitros sejam escolhidos pelas partes de comum acordo. Também a lei de arbitragem não apresenta solução para o problema surgido do dissenso neste caso, sendo duvidosa a aplicação do art. 7.º à hipótese, por analogia. Se a convenção de arbitragem for omissa sobre a alternativa para vencer eventual impasse, não vemos como realizar a arbitragem, pois é impossível impor um tribunal nomeado por terceiro, salvo se as partes assim dispuserem de comum acordo.

7. Outros pontos relevantes do Dec. 8.465

Eis alguns pontos do Dec. 8.465, que merecem atenção da empresa portuária que negociar convenção de arbitragem com entidade da administração pública portuária:

A arbitragem deverá ter sede no Brasil e adotar a língua portuguesa.

Não será admitido sigilo devendo ser respeitado o princípio da publicidade dos atos da administração pública.

Só se admitirá arbitragem ad hoc quando justificada. A instituição de arbitragem eleita pelas partes para administrar o procedimento deverá ter sede no Brasil e estar em regular funcionamento há pelo menos 3 anos.

As despesas da arbitragem deverão ser adiantadas pelo Contratado. A parte vencida arcará com as custas do procedimento, reembolsando a vencedora do que adiantou, se for o caso. Cada parte arcará com os honorários dos respectivos advogados e assistentes técnicos.

A condenação incluirá correção monetária e juros, mas não honorários de sucumbência.

A convenção de arbitragem fará obrigatoriamente remissão ao Dec. 8.465.

8. Caso pioneiro

Em 02.09.2015 foi celebrado um termo de compromisso arbitral entre, de um lado, a Secretaria de Portos da Presidência da República e a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), com a interveniência da Antaq, e de outro lado, Libra Terminal 35 S.A. e Libra Terminais S.A, que é certamente o primeiro caso de arbitragem no setor portuário sob a égide do Dec. 8.465.

Pelo compromisso, as partes se obrigam a extinguir oito ações judiciais em curso e promover a resolução dos respectivos litígios mediante arbitragem.

É interessante notar que os "considerandos" do Termo de Compromisso informam que a matéria em litígio vem sendo controvertida nas esferas administrativa e judicial há cerca de 10 anos e que a Advocacia-Geral da União estima que a resolução dos litígios na esfera judicial consumiria ainda mais oito anos pelo menos, levando-se em conta a complexidade das discussões e a possibilidade de interposição de recursos.

O Termo de Compromisso é minucioso e, de modo geral, correto. As partes, de comum acordo, estabeleceram que os três árbitros, componentes do tribunal arbitral, serão nomeados pela instituição de arbitragem, que administrará o procedimento, também designada por elas de comum acordo.

Todavia, o extrato do Termo de Compromisso, publicado no Diário Oficial da União, Seção 3, de 03.09.2015, p. 3, é portador de imperdoáveis omissões, silenciando sobre pontos essenciais do compromisso, inclusive os previstos nos incs. II e IV do art. 10 da Lei 9.307/1996. Não observa, assim, a exigência de publicidade determinada pelo parágrafo único do art. 61 da Lei 8.666,8 que é condição de eficácia dos contratos administrativos, bem como pelo inc. IV do art. 2.º do próprio Dec. 8.465.

9. Perspectivas de desenvolvimento da arbitragem no seio da administração pública

É de se esperar um grande desenvolvimento da arbitragem no âmbito da administração pública. A imensa quantidade de conflitos entre a administração pública e particulares, pendentes de solução nos escaninhos do Poder Judiciário, que provavelmente aumentará em progressão geométrica no futuro, emperra a gestão da coisa pública e desanima investimentos, especialmente em uma economia como a nossa, na qual o Estado é onipresente. A premência de aplicar um meio juridicamente válido para purgar essa pletora de litígios certamente incentivará esse desenvolvimento. A administração pública perderá o pejo de submeter-se voluntariamente a tribunais privados para resolver divergências relativas a direitos patrimoniais disponíveis em disputa no mercado. A arbitragem certamente experimentará, no seio da administração pública, o desenvolvimento e a aceitação geral, que já obteve no campo das disputas entre particulares, sendo de se prever, para os próximos anos, a instauração de um número crescente de processos arbitrais com a participação de entes da administração pública. A arbitragem será instituto jurídico de considerável relevância nos setores da economia em que a intervenção do Estado se faz presente.

Daí a enorme importância do § 1.º do art. 1.º da recente Lei 13.129, ao abrir as portas de acesso à solução por arbitragem dos conflitos entre a administração pública e os particulares.

No setor portuário, a intensa intervenção governamental mediante a delegação de serviços (concessões, autorizações e arrendamentos na área do porto) constitui fonte de controvérsias, cuja pendência tem desanimado os empresários a investir em novos empreendimentos e a expandir negócios existentes. Daí por que o setor portuário se apresenta em posição pioneira para desenvolver a arbitragem na área da administração pública.

* Árbitro e advogado.

Footnotes

1 Lei 8.666, art. 55 § 2.º: "Nos contratos celebrados pela Administração pública com pessoas físicas ou jurídicas, inclusive aquelas domiciliadas no estrangeiro, deverá constar necessariamente cláusula que declare competente o foro da sede da Administração para dirimir qualquer questão contratual, salvo o disposto no § 6.º do art. 32 desta Lei".

2 Lei 8.666, art. 32, § 6.º: "O disposto no § 4.º deste artigo, no § 1.º do art. 33 e no § 2.º do art. 55, não se aplica às licitações internacionais para a aquisição de bens e serviços cujo pagamento seja feito com o produto de financiamento concedido por organismo financeiro internacional de que o Brasil faça parte, ou por agência estrangeira de cooperação, nem nos casos de contratação com empresa estrangeira, para a compra de equipamentos fabricados e entregues no exterior, desde que para este caso tenha havido prévia autorização do Chefe do Poder Executivo, nem nos casos de aquisição de bens e serviços realizada por unidades administrativas com sede no exterior".

3 Dentre as leis que ressalvavam a utilização da arbitragem nos respectivos setores, citam-se a Lei 9.472/1997 (telecomunicações); Lei 9.478/1997 (petróleo e gás); Lei 10.848/2004 (energia elétrica); Lei 11.079/2004 (parcerias público-privadas).

4 Lei 12.815/2013, art. 62: "O inadimplemento, pelas concessionárias, arrendatárias, autorizatárias e operadoras portuárias no recolhimento de tarifas portuárias e outras obrigações financeiras perante a administração do porto e a Antaq, assim declarado em decisão final, impossibilita a inadimplente de celebrar ou prorrogar contratos de concessão e arrendamento, bem como obter novas autorizações.

  • 1.º Para dirimir litígios relativos aos débitos a que se refere o caput, poderá ser utilizada a arbitragem, nos termos da Lei 9.307, de 1996".

5 "Facultava", o verbo consta no pretérito porque, como veremos adiante, o § 1.º do art. 62 da Lei de Portos foi revogado por se ter tornado despiciendo pelo art. 1.º da Lei 13.129/2015.

6 Lei 13.129, art. 1.º, § 1.º: "A Administração pública direta e indireta poderá utilizar-se da arbitragem para dirimir conflitos relativos a direitos patrimoniais disponíveis".

7 O inc. II do § 1.º do art. 13 determina o depósito "à disposição do juízo", pretendendo expressar que deverá ser depositado em conta bancária especial, só movimentável mediante ordem do tribunal arbitral ou do árbitro único a quem compete proferir a sentença.

8 Lei 8.666, art. 61, parágrafo único: "A publicação resumida do instrumento de contrato ou de seus aditamentos na imprensa oficial, que é condição indispensável para sua eficácia, será providenciada pela Administração até o quinto dia útil do mês seguinte ao de sua assinatura, para ocorrer no prazo de 20 (vinte) dias daquela data, qualquer que seja o seu valor, ainda que sem ônus, ressalvado o disposto no art. 26 desta Lei".

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Registration (you must scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions