Brazil: Boletim Informativo De Jurisprudência Sobre Arbitragem - Edição Nº 03

O Mattos Filho monitora constantemente o posicionamento jurisprudencial dos principais tribunais brasileiros sobre os mais variados temas relacionados à arbitragem. Destacamos, abaixo, algumas das decisões mais relevantes entre os meses de abril e junho de 2015:

Recurso Especial. Processual Civil. Arbitragem. Ação Cautelar. Efeitos da Medida Cautelar. Ação de Instalação de Arbitragem. Trata-se de recurso especial interposto contra acórdão do TJAP que desproveu sua apelação, determinando a cessação da eficácia da medida liminar em decorrência da extinção do processo principal. A requerente havia ajuizado a ação cautelar pleiteando o resultado útil de um procedimento arbitral referente a um acordo para a constituição de uma joint-venture, bem como a instituição de Arbitragem. O STJ reconheceu a manutenção dos efeitos da medida cautelar até o trânsito em julgado da ação de instalação de arbitragem, se esta for julgada improcedente e, caso procedente, até a derrogação da jurisdição estatal, operada com a efetiva instalação da arbitragem, com a submissão do pleito ao tribunal privado competente para analisar a necessidade de manutenção, revogação ou alteração da cautelar concedida. Recurso especial parcialmente provido.

STJ - Resp nº 1.325.847/AP

Recurso Especial. Contrato. Cláusula Compromissória. Confissão de dívida. Execução de Título Extrajudicial. Jurisdição Estatal. Possibilidade. Trata-se de Recurso Especial contra acórdão do TJMG que, ao julgar que a cláusula de arbitragem afasta a jurisdição estatal, impedindo a execução de título extrajudicial oriundo do próprio contrato, violou, segundo a requerente, os arts. 535, II e 585, II do CPC, art. 41 da Lei de Arbitragem e arts. 113 e 422 do CC, além de divergir da orientação firmada pelo STJ. O STJ entendeu que tal cláusula consubstancia confissão de uma obrigação líquida, certa e exigível, dispensando qualquer interpretação diversa a suscitar a submissão de seu teor ao juízo arbitral, motivo pelo qual se defende o cabimento da execução judicial do título. O STJ entendeu, ainda, que cláusulas que contemplem confissão de dívida e constituam título executivo extrajudicial podem ser executadas judicialmente mesmo diante da existência de convenção arbitral, uma vez que tribunais arbitrais não possuem poderes coercitivos. Recurso especial provido.

STJ – Resp nº 1.373.710/MG

Arbitragem. Sentença arbitral homologatória de acordo trabalhista. Eficácia de sentença judicial. Trata-se de recurso especial interposto em face de acórdão do TRF da 3ª Região, que negou provimento a agravo em que se sustentava o não cabimento de Arbitragem para negociar direitos trabalhistas. Além disso, arguia o agravante ser incabível Mandado de Segurança em que se pleiteava a validade e eficácia de sentença arbitral homologatória de acordo de rescisão de contrato de trabalho para fins de levantamento de FGTS e seguro desemprego, alegando a inexistência de direito líquido e certo, bem como a prevalência da presunção de constitucionalidade e legitimidade dos atos administrativos. Entende o STJ que o art. 31 da Lei de Arbitragem dá à sentença arbitral a mesma eficácia jurídica das sentenças judiciais, sendo, portanto, válida, não sujeita à homologação pelo Poder Judiciário e não constituindo empecilho para o levantamento de FGTS e seguro desemprego. Negado seguimento ao Recurso Especial.

STJ – Recurso Especial nº 1.531.750/SP

Ação anulatória de sentença arbitral. Princípio do Kompetenz-Kompetenz e a competência do juízo arbitral. Trata-se de medida cautelar visando ao efeito suspensivo de agravo em recurso especial interposto no curso da ação anulatória de sentença arbitral. O requerente alega periculum in mora decorrente da instauração de novo procedimento arbitral com idêntica finalidade a do anterior sub judice, ainda não transitado em julgado, implicando pagamento de novas despesas a título de taxa de administração da arbitragem e honorários de árbitros. Segundo o STJ, o Princípio de kompetenz-kompetenz atribui poderes ao juízo arbitral para analisar sua própria competência, devendo as discussões acerca da validade e eficácia de cláusula compromissória ser resolvidas por juízo arbitral. Por fim, o perigo de dano em relação à necessidade de despender montante necessário ao pagamento das despesas para instauração de novo procedimento arbitral não se mostra grave o suficiente para afastar a exigência de que o recurso especial se mostre viável.

STJ – Medida Cautelar nº 24.483/SP

Pedido de nomeação de árbitro. Impugnação contra cláusula arbitral. Lei de arbitragem. Trata-se de Carta Rogatória por meio da qual a Justiça da Suíça solicita que se proceda a notificação da interessada de um pedido de nomeação de árbitro. A parte interessada apresentou impugnação contra a cláusula arbitral constante do contrato firmado entre as partes, sustentando violação à ordem pública na medida em que a cláusula arbitral não preenche requisitos dos arts. 1.074/1.075 do CPC, por ser anterior à Lei de Arbitragem. Ademais, pugna pela nulidade da cláusula arbitral. O min. relator afirma que a impugnação versa somente sobre o mérito da ação no juízo estrangeiro, não devendo ser acolhida em sede de cartas rogatórias. Ademais, nos termos da Súmula nº 485, reconhece a validade dos contratos que contenham cláusula arbitral, mesmo que celebrados antes da vigência da Lei de Arbitragem. Afirma, portanto, que o objeto da presente carta rogatória não atenta contra a soberania nacional nem contra a ordem pública, razão pela qual, com fundamento no art. 216-O do RISTJ, concede o exequatur. Por fim, tendo em vista o seu devido cumprimento, o STJ determinou a devolução da carta rogatória à justiça rogante.

STJ – Carta Rogatória nº 9.874/CH

Vinculação de efeitos da Convenção de arbitragem a terceiros. Trata-se de agravo de instrumento contra decisão proferida nos autos de ação de reparação que, acolhendo os embargos de declaração, julgou indevida a denunciação à lide, extinguiu ação secundária e condenou a agravante ao pagamento de custas relativas à denunciação e honorários sucumbenciais devidos ao patrono do denunciado. Em recurso especial, a recorrente apontou, além de violação ao art. 535, II, do CPC, que a convenção de arbitragem entre as partes não vincula seus efeitos a terceiros. Com base no posicionamento do Tribunal a quo, segundo o qual o contrato celebrado entre as partes prevê expressamente a anuência das mesmas quanto à cláusula compromissória, reconheceu-se a validade da cláusula que estabelece a resolução do contrato por meio de arbitragem.

STJ – Agravo em REsp nº 681.451

Instituição de arbitragem com um árbitro. Apelação em que se pleiteia ampliação do quadro para três árbitros. Manutenção da sentença. Trata-se de ação declaratória cuja sentença julgou procedente a instituição de arbitragem com um árbitro, no entanto a ré interpôs apelação pleiteando a ampliação do quadro para três árbitros. Segundo o TJSP, a elevação do painel arbitral implicaria onerosidade excessiva ao procedimento e comprometeria a sua celeridade. Além disso, eventual necessidade de conhecimento técnico por parte do árbitro julgador poderia ser suprida com diligência cabível ou esclarecimentos dos assistentes das partes, não sendo necessário, portanto, ampliar o quadro de árbitros, conforme alegado pela ré.

TJ-SP – Apelação nº 0074289-75.2012.8.26.0100

Cláusula compromissória. Regularidade. Inexistência de vícios materiais. Trata-se de apelação em face de sentença que julgou procedente a ação de rescisão de contrato de franquia, condenando os apelantes ao pagamento de taxas de franquia bem como ao cumprimento de cláusula de não concorrência. Os apelantes então requerem, dentre outras coisas, a extinção do feito sem apreciação do mérito em virtude da presença de compromisso arbitral no contrato de franquia. O Tribunal, por sua vez, entendeu que conquanto o Código Civil não cuide expressamente das hipóteses de existência do negócio jurídico, de acordo com a doutrina, a assinatura aposta pelas partes no instrumento de contrato se consubstanciaria na exteriorização do consentimento, razão pela qual a sua falta, ao menos em princípio, configuraria causa de inexistência do ato. Entretanto, ele ressalta que, no caso em exame, nenhuma das partes teria argumentado a inexistência do contrato, pelo contrário, ambas reconhecem expressamente o cumprimento de seus termos. Assim, nada obstante o desatendimento das formalidades exigidas pela lei, nada justificaria a sua inobservância. Desta forma o Tribunal entendeu que, não havendo qualquer vício material que macule a cláusula compromissória e sendo evidente a anuência tácita das partes quanto à integralidade dos termos do contrato não assinado, seria caso de dar provimento ao recurso para reconhecer a validade da cláusula compromissória e julgar extinto o feito.

TJ-SP – Apelação Cível nº 4022778-88.2013.8.26.0405

Agravo de instrumento. Execução. Sentença arbitral. Decisão que determinou a citação da executada para pagamento de quantia devida, sob pena do acréscimo de multa prevista no art. 475-J do CPC. Trata-se de agravo de instrumento, nos autos de ação de execução de sentença arbitral, em face de despacho que determinou a citação da executada para pagamento da quantia devida sob pena do acréscimo da multa do art. 475-J do CPC. Segundo o exequente, a própria sentença arbitral já traria o prazo de 30 dias para cumprimento voluntário e, tendo em vista que a executada teria se mantido inerte mesmo diante da intimação efetivada pela Câmara de Arbitragem, a multa já deveria ser aplicada de imediato, sem a necessidade de citação. O Tribunal entendeu, no entanto, que por mais que a sentença arbitral constitua um título executivo judicial, de acordo com o parágrafo único do art. 475-N do CPC, o executado deve ser citado para efetuar o pagamento no prazo de 15 dias, sob pena de multa de 10%. O prazo previsto na sentença arbitral e a intimação efetivada pela Câmara não poderiam suplantar a aplicação do CPC. Assim, a incidência da multa não seria automática.

TJ-RJ – Agravo de Instrumento nº 0060110-72.2014.8.19.0000

The content of this article is intended to provide a general guide to the subject matter. Specialist advice should be sought about your specific circumstances.

To print this article, all you need is to be registered on Mondaq.com.

Click to Login as an existing user or Register so you can print this article.

Authors
 
Some comments from our readers…
“The articles are extremely timely and highly applicable”
“I often find critical information not available elsewhere”
“As in-house counsel, Mondaq’s service is of great value”

Related Topics
 
Related Articles
 
Up-coming Events Search
Tools
Print
Font Size:
Translation
Channels
Mondaq on Twitter
 
Register for Access and our Free Biweekly Alert for
This service is completely free. Access 250,000 archived articles from 100+ countries and get a personalised email twice a week covering developments (and yes, our lawyers like to think you’ve read our Disclaimer).
 
Email Address
Company Name
Password
Confirm Password
Position
Mondaq Topics -- Select your Interests
 Accounting
 Anti-trust
 Commercial
 Compliance
 Consumer
 Criminal
 Employment
 Energy
 Environment
 Family
 Finance
 Government
 Healthcare
 Immigration
 Insolvency
 Insurance
 International
 IP
 Law Performance
 Law Practice
 Litigation
 Media & IT
 Privacy
 Real Estate
 Strategy
 Tax
 Technology
 Transport
 Wealth Mgt
Regions
Africa
Asia
Asia Pacific
Australasia
Canada
Caribbean
Europe
European Union
Latin America
Middle East
U.K.
United States
Worldwide Updates
Registration (you must scroll down to set your data preferences)

Mondaq Ltd requires you to register and provide information that personally identifies you, including your content preferences, for three primary purposes (full details of Mondaq’s use of your personal data can be found in our Privacy and Cookies Notice):

  • To allow you to personalize the Mondaq websites you are visiting to show content ("Content") relevant to your interests.
  • To enable features such as password reminder, news alerts, email a colleague, and linking from Mondaq (and its affiliate sites) to your website.
  • To produce demographic feedback for our content providers ("Contributors") who contribute Content for free for your use.

Mondaq hopes that our registered users will support us in maintaining our free to view business model by consenting to our use of your personal data as described below.

Mondaq has a "free to view" business model. Our services are paid for by Contributors in exchange for Mondaq providing them with access to information about who accesses their content. Once personal data is transferred to our Contributors they become a data controller of this personal data. They use it to measure the response that their articles are receiving, as a form of market research. They may also use it to provide Mondaq users with information about their products and services.

Details of each Contributor to which your personal data will be transferred is clearly stated within the Content that you access. For full details of how this Contributor will use your personal data, you should review the Contributor’s own Privacy Notice.

Please indicate your preference below:

Yes, I am happy to support Mondaq in maintaining its free to view business model by agreeing to allow Mondaq to share my personal data with Contributors whose Content I access
No, I do not want Mondaq to share my personal data with Contributors

Also please let us know whether you are happy to receive communications promoting products and services offered by Mondaq:

Yes, I am happy to received promotional communications from Mondaq
No, please do not send me promotional communications from Mondaq
Terms & Conditions

Mondaq.com (the Website) is owned and managed by Mondaq Ltd (Mondaq). Mondaq grants you a non-exclusive, revocable licence to access the Website and associated services, such as the Mondaq News Alerts (Services), subject to and in consideration of your compliance with the following terms and conditions of use (Terms). Your use of the Website and/or Services constitutes your agreement to the Terms. Mondaq may terminate your use of the Website and Services if you are in breach of these Terms or if Mondaq decides to terminate the licence granted hereunder for any reason whatsoever.

Use of www.mondaq.com

To Use Mondaq.com you must be: eighteen (18) years old or over; legally capable of entering into binding contracts; and not in any way prohibited by the applicable law to enter into these Terms in the jurisdiction which you are currently located.

You may use the Website as an unregistered user, however, you are required to register as a user if you wish to read the full text of the Content or to receive the Services.

You may not modify, publish, transmit, transfer or sell, reproduce, create derivative works from, distribute, perform, link, display, or in any way exploit any of the Content, in whole or in part, except as expressly permitted in these Terms or with the prior written consent of Mondaq. You may not use electronic or other means to extract details or information from the Content. Nor shall you extract information about users or Contributors in order to offer them any services or products.

In your use of the Website and/or Services you shall: comply with all applicable laws, regulations, directives and legislations which apply to your Use of the Website and/or Services in whatever country you are physically located including without limitation any and all consumer law, export control laws and regulations; provide to us true, correct and accurate information and promptly inform us in the event that any information that you have provided to us changes or becomes inaccurate; notify Mondaq immediately of any circumstances where you have reason to believe that any Intellectual Property Rights or any other rights of any third party may have been infringed; co-operate with reasonable security or other checks or requests for information made by Mondaq from time to time; and at all times be fully liable for the breach of any of these Terms by a third party using your login details to access the Website and/or Services

however, you shall not: do anything likely to impair, interfere with or damage or cause harm or distress to any persons, or the network; do anything that will infringe any Intellectual Property Rights or other rights of Mondaq or any third party; or use the Website, Services and/or Content otherwise than in accordance with these Terms; use any trade marks or service marks of Mondaq or the Contributors, or do anything which may be seen to take unfair advantage of the reputation and goodwill of Mondaq or the Contributors, or the Website, Services and/or Content.

Mondaq reserves the right, in its sole discretion, to take any action that it deems necessary and appropriate in the event it considers that there is a breach or threatened breach of the Terms.

Mondaq’s Rights and Obligations

Unless otherwise expressly set out to the contrary, nothing in these Terms shall serve to transfer from Mondaq to you, any Intellectual Property Rights owned by and/or licensed to Mondaq and all rights, title and interest in and to such Intellectual Property Rights will remain exclusively with Mondaq and/or its licensors.

Mondaq shall use its reasonable endeavours to make the Website and Services available to you at all times, but we cannot guarantee an uninterrupted and fault free service.

Mondaq reserves the right to make changes to the services and/or the Website or part thereof, from time to time, and we may add, remove, modify and/or vary any elements of features and functionalities of the Website or the services.

Mondaq also reserves the right from time to time to monitor your Use of the Website and/or services.

Disclaimer

The Content is general information only. It is not intended to constitute legal advice or seek to be the complete and comprehensive statement of the law, nor is it intended to address your specific requirements or provide advice on which reliance should be placed. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers make no representations about the suitability of the information contained in the Content for any purpose. All Content provided "as is" without warranty of any kind. Mondaq and/or its Contributors and other suppliers hereby exclude and disclaim all representations, warranties or guarantees with regard to the Content, including all implied warranties and conditions of merchantability, fitness for a particular purpose, title and non-infringement. To the maximum extent permitted by law, Mondaq expressly excludes all representations, warranties, obligations, and liabilities arising out of or in connection with all Content. In no event shall Mondaq and/or its respective suppliers be liable for any special, indirect or consequential damages or any damages whatsoever resulting from loss of use, data or profits, whether in an action of contract, negligence or other tortious action, arising out of or in connection with the use of the Content or performance of Mondaq’s Services.

General

Mondaq may alter or amend these Terms by amending them on the Website. By continuing to Use the Services and/or the Website after such amendment, you will be deemed to have accepted any amendment to these Terms.

These Terms shall be governed by and construed in accordance with the laws of England and Wales and you irrevocably submit to the exclusive jurisdiction of the courts of England and Wales to settle any dispute which may arise out of or in connection with these Terms. If you live outside the United Kingdom, English law shall apply only to the extent that English law shall not deprive you of any legal protection accorded in accordance with the law of the place where you are habitually resident ("Local Law"). In the event English law deprives you of any legal protection which is accorded to you under Local Law, then these terms shall be governed by Local Law and any dispute or claim arising out of or in connection with these Terms shall be subject to the non-exclusive jurisdiction of the courts where you are habitually resident.

You may print and keep a copy of these Terms, which form the entire agreement between you and Mondaq and supersede any other communications or advertising in respect of the Service and/or the Website.

No delay in exercising or non-exercise by you and/or Mondaq of any of its rights under or in connection with these Terms shall operate as a waiver or release of each of your or Mondaq’s right. Rather, any such waiver or release must be specifically granted in writing signed by the party granting it.

If any part of these Terms is held unenforceable, that part shall be enforced to the maximum extent permissible so as to give effect to the intent of the parties, and the Terms shall continue in full force and effect.

Mondaq shall not incur any liability to you on account of any loss or damage resulting from any delay or failure to perform all or any part of these Terms if such delay or failure is caused, in whole or in part, by events, occurrences, or causes beyond the control of Mondaq. Such events, occurrences or causes will include, without limitation, acts of God, strikes, lockouts, server and network failure, riots, acts of war, earthquakes, fire and explosions.

By clicking Register you state you have read and agree to our Terms and Conditions